17 de novembro de 2005

No trilho da Província de Maputo

A vida começa bem cedo aqui em Maputo..
Às 5 horas da manhã, o Sol não nos deixa molengar tal é a intensidade com que nos ilumina e dá as boas-vindas a mais um dia...
O reboliço das ruas começa, por isso, a sentir-se bem cedo. Os escritórios abrem às 8h00 e não é nada invulgar marcar reuniões para essa hora...
Neste dia, parti bem cedo para a Namaacha, eram pouco mais de 7h00.
O Distrito da Namaacha tem a Norte o Distrito de Moamba, a Este o Distrito de Boane, a Sul o Distrito de Matutuine, e, a Oeste, a África do Sul e a Suazilândia.
A Sede do Distrito é a bela vila da Namaacha, outrora muito conhecida por ser um sítio de preferência de portugueses que queriam ter uma segunda casa num lugar mais fresco que Maputo. Devido à sua altitude (cerca de 400 metros), acaba por ter um micro-clima bastante agradável em tempo de calor extremo. Em algumas alturas do Inverno, segundo dizem, e não olhando para a vegetação, quase que podemos dizer que faz frio e não estamos em Moçambique... Curioso é o facto de se prever a abertura de um casino ao lado do Hotel de eleição da vila. Cá como lá, ou vice-versa, a novela do casino parece não ter fim.
Dista cerca de 100 km de Maputo que se fazem facilmente devido ao bom estado da estrada de ligação. É um excelente passeio para descontrair e sentir alguma frescura... Ao longo do caminho, vamos encontrando vendedores de carvão e de pedra a que eles chamam de "pura"...
Vale a pena conhecer a Barragem dos Pequenos Limpompos e ver espelhado o céu bafejado de nuvens.. sem o incómodo constante das motos-de-água que nos azucrinam noutras paragens...
Ao longo de 8 horas pude ainda conhecer as povoações de Goba, Changalane, Mafuiane e Kulula...

À noite, ainda houve tempo para o reencontro com a minha família adoptiva: Pedro, Danila e Mauro, que me recebram, como sempre, de braços abertos. Antes de voltar a casa, uma ida ao Mercado do Peixe para comprar um exemplar de peixe vermelho...