25 de março de 2006

Costa do Sol on fire

O apronto estava marcado para as 9h30. Consistia em juntarmo-nos na Av. Eduardo Mondlane, junto à Escola Primária 3 de Fevereiro, de onde seguiríamos para a Costa do Sol.
Depois dos atrasos habituais (coisa a que dificilmente me adapto e acomodo), conseguimos entrar em campo por volta das 11h45... Sim... 2 horas depois!
Entrar em campo, porque o que combinámos - eu e os activistas da Matola - foi precisamente uma futebolada na praia! Eu, o Tiago e a Clara de um lado; o Assimo, o Julinho e o Alberto do outro. Claro está, nem com as trocas entretanto registadas consegui vencer.
O calor era imenso e a água comia-nos o campo... Descansámos um pouco para retemperar as forças, até que chegam finalmente a Elizabeth e o Kevin (canadianos) acompanhados do Tom (inglês) que se revelam excelentes reforços!
A este grupo junta-se o Daniel, um dos moços que nos seguiam de perto acalentando a esperança de jogar. Grande reforço, este miúdo! Já antes tínhamos sido acompanhados pelo Vasco, o Joaquim e o Francisco que, para além de apanha-bolas, recriaram-se alegremente (sempre que possível) com a bola, esse objecto maravilhoso que o torna o Tempo um breve suspiro de felicidade...
Depois do esforço físico (não direi o resultado), juntámo-nos todos para um pic-nic à Costa do Sol: muita cerveja, shima e magumba (peixe) grelhada! Um grupo ao lado tocava e cantava.. logo começámos a descontrair. Claro está, os nosso amigos moçambicanos não perderam a deixa para dançar um pouco como só eles sabem fazer...
Deste lado, uma boa conversa com o Tiago, o Tom e o Kevin, todos com alguma ou muita experiência em ONGs... e histórias para relembrar!
Alguns outros moçambicanos, naquela sua foma descontraida de meter conversa e falar com estranhos, abordaram-me, apenas para me conhecerem. Foram eles, o Beto, a Fernanda e a Rehana. Ainda estranho estas aproximações, mas vou-me habituando!
Por volta das 16h30, estava de volta a casa... o trabalho não perdoa!