29 de maio de 2008

A Luta Continua...

Aos portugueses que insistem em continuar em Portugal...

“Terra Sonâmbula” estreia hoje em Maputo!

Desculpem lá ter que citar uma notícia (e ter que corrigir algumas gralhas) do jornal oficial de Moçambique: Notícias


ESTREIA hoje em Moçambique o filme “Terra Sonâmbula”, numa realização da portuguesa Teresa Prata, baseado na obra homónima do escritor moçambicano Mia Couto. O filme é uma co-produção entre a Ébano Multimédia e ZDF/ART da Alemanha.


Com uma duração de 103 minutos, a película é bilingue (Português e Xichangana) e conta com actores nacionais, destacando-se Filimone Meigos, Ana Magaia e Ilda Gonzalez.


O filme, tal como o livro, classificado como um dos 12 mais importantes livros africanos do século XX, fala de Moçambique durante a guerra terminada em 1992. Muidinga, menino de olhos sonhadores, ouve constantemente o som do mar. Este som faz-lhe nascer no peito o sonho de reencontrar a sua família, que ele acredita que vive à beira-mar. O menino lê um diário, encontrado ao lado de um cadáver, a história de uma mulher que vive num velho navio encalhado e procura o filho perdido. Muidinga convence-se de que é ele a criança do diário e decide procurá-la.


Na sua viagem é acompanhado por Tuahir, velho duro e cheio de histórias, que lhe quer como a um filho, apesar de não conseguir mostrar o seu profundo afecto. Cioso, Tuahir não quer que o pequeno protagonista encontre a família.


A viagem é dura. Eles movem-se por entre despojos de guerra e refugiados em delírio. Para não enlouquecerem, tem-se apenas um ao outro. A estrada por onde deambulam, como sonâmbulos, é mágica: entende os desejos deles, move-os de um lugar para outro. E não os deixa morrer enquanto eles não alcançarem o tão sonhado mar. Anote-se que “Terra Sonâmbula” foi já levado ao teatro e passa para o cinema num trabalho de realização de Teresa Prata.

Portal de blogs sobre Moçambique

Nao deixem de passar pelo portal de blogs sobre Moçambique(Ma-Blog), residente no www.ma-blog.net...

23 de maio de 2008

O Senhor Presidente andou por cá... e eu felizmente andei por lá... longe

Deixo aqui algumas notas da Presidência sobre a visita de trabalho à Província de Cabo Delgado. Curiosamente, o saque de madeiras pelos chineses que todos os dias passam na estrada entre Montepuez e Pemba nao é apelidado de "dominaçao estrangeira". Curiosamente, também nao é quando se trata da exploraçao de petróleo, cujos primeiros furos estao a caminhar com toda a energia... lá para os lados de Palma e de Mocímboa da Praia. Curiosamente, já volta a ser "dominaçao estrangeira" quando se trata de enviar equipas da inspecçao de trabalho (daquele género tipicamente moçambicano de pedir "ajuda" de transporte para realizar o seu trabalho) para inspeccionar os contratos dos cooperantes, esse bando de malfeitores e de grandes exploradores das riquezas de Moçambique... Mas sobre este assunto, haverá ainda muito que escrever...





SEGREDO PARA O SUCESSO DA LUTA CONTRA POBREZA E A UNIÃO DOS MOÇAMBICANOS, segundo o Presidente Guebuza, em Balama (22/05/2008-12:49)

O Presidente da República, Armando Guebuza, reiterou no distrito de Balama, província nortenha de Cabo Delgado, que o grande segredo para o sucesso da luta contra a fome e a pobreza é a união de todos moçambicanos, independentemente das origens, tal como aconteceu durante a luta contra a dominação estrangeira.

O Chefe do Estado moçambicano falava perante centenas de pessoas que acorreram ao comício popular por ele orientado, pouco depois de ter desembarcado na vila sede de Balama, ido de Macomia.

Um residente local, que disse se chamar Cândido, queixou-se a Guebuza da alegada ocorrência de actos tribais para a obtenção de fundos dos sete milhões de meticais, e para a ocupação de cargos de chefia a nível do distrito de Balama.

Reagindo a alguns dos problemas a ele apresentados, o Presidente Guebuza disse, quanto a questão de “tribalismo”, que as pessoas perdem tempo em promoverem estes actos que em nada ajudam para se combater a fome e a pobreza, os actuais grandes inimigos do povo moçambicano.

O estadista moçambicano socorreu-se da história de libertado de Moçambique, afirmando que se não fosse a união dificilmente o país teria logrado vencer o colonialismo e obter a independência nacional.

Entretanto, na Quinta-feira, o Presidente Guebuza trabalha no distrito de Mecúfi, última etapa da sua presidência aberta a Cabo Delgado.


PRESIDENTE GUEBUZA QUER QUE O MEUSEU DE CHAI SEJA POTENCIADO (20/05/2008-16:11)

O Presidente da República, Armando Emílio Guebuza, lamentou o facto de o Museu de Chai (Muchai), localizado na província de Cabo Delgado, Norte do país, não estar ainda a assumir na totalidade o seu papel que é de preservar a historia da luta de libertação nacional.

Mesmo depois de reconhecer que o sector da educação e cultura está a trabalhar para que o Muchai desempenhe o papel para o qual foi criado, o Presidente Guebuza disse ser necessário que se faça muito mais.

“Tem de se criar condições para que o museu seja um ponto em que todos os que o visitem encontrem tudo sobre a história de libertação de Moçambique”, disse o Chefe do Estado moçambicano, durante um breve contacto com as populações locais, momentos depois de ter visitado aquela instituição de natureza histórica e cultural, subordinada ao Ministério da Educação e Cultura.

A deslocação do Presidente da República ao Posto Administrat

ivo de Chai está inserida nas visitas de trabalho que tem efectuado anualmente a todas as províncias moçambicanas. Segunda-feira o estadista moçambicano iniciou a presidência aberta de quatro dias a província de Cabo Delgado.

Ao lado do Museu do Chai foi erguido um monumento que simboliza o inicio da luta armada de libertação nacional, em 1964, e que culminou com a celebração da independência, em 1975.

Adquirir, registar, preservar, conservar e colocar a disposição do público, colecções de documentos referentes a luta de libertação de Moçambique, promover a investigação científica, e estabelecer as relações de trabalho com instituições que actuem em áreas afins, são os demais objectivos do Muchai.

No Chai, o Presidente da República também se inteirou dos actuais níveis de abastecimento de água, sabido que na sede do posto administrativo de Chai não existe nenhuma fonte de abastecimento de água.



PRESIDENTE GUEBUZA EFECTUA VISITA DE TRABALHO À PROVÍNCIA DE CABO DELGADO (20/05/2008-15:52)

O Presidente da República, Armando Emílio Guebuza, efectua de 19 a 22 de Maio de 2008, uma visita de trabalho à província de Cabo Delgado.

Nesta província, o Chefe do Estado moçambicano vai escalar os distritos de Muedumbe, Macomia, Balama, Mecufi e o posto Administrativo de Chai, onde tem agendado reuniões com os Governos locais, Conselhos Consultivos distritais, encontros com as populações e visitas a locais de interesse histórico, político, social económico e cultural.

À esta província, o Presidente da República far-se-á acompanhar pelo Ministro do Interior, José Pacheco; Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Oldemiro Balói; Ministro da Defesa Nacional Filipe Nhussi; Ministro para os Assuntos dos Antigos Combatentes, Feliciano Gundana; Ministra para os Assuntos Parlamentares, Isabel Nkavadeca; Ministro da Administração Estatal, Lucas Chomera e pelos Vice-Ministros da Planificação e Desenvolvimento, Victor Bernardo e da Educação e Cultura, Luís Covane.

Constam da delegação presidencial os embaixadores da Irlanda, Frank Sheridan, do Reino Unidos da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, Andrew Soper e da República Unida da Tazania, Pastor Ngaiza.

18 de maio de 2008

Ainda... Portugal e Espanha



O vice-presidente do Governo Autónomo da Catalunha, Josep-Lluís Carod Rovira, disse hoje em Barcelona que Espanha ainda não assumiu que Portugal é um Estado independente.

Carod Rovira considera que Madrid pretende manter uma "tutela paternalista" e uma atitude de "imperialismo doméstico" sobre o Estado Português, onde, acrescentou, "historicamente, sempre houve um certo complexo por parte de alguns sectores dirigentes em relação a Espanha".

O número dois do executivo catalão e responsável pelas relações externas da região com 7,5 milhões de habitantes, afirma que pretende conseguir o apoio de Portugal para o projecto de independência que defende para a Região Autónoma, cujo referendo propõe que se realize em 2014.

"O que menos interessa a Portugal é uma Espanha unitária", afirmou, sublinhando que "uma Catalunha independente na fachada mediterrânea poderia ser o contrapeso lógico ao centralismo espanhol". Segundo Carod Rovira, Portugal deve perceber que a independência da Catalunha nada tem que ver com a regionalização. "A Catalunha é como Portugal mas sem os Restauradores".

O vice-presidente do Governo da Catalunha recorre à História, designadamente aos acontecimentos de 1640, para afirmar que "se as coisas tivessem sido ao contrário, hoje Portugal seria uma região espanhola e a Catalunha um estado independente". No século XVII, durante o reinado de Filipe III, Madrid foi confrontada com revoltas em Portugal e na Catalunha mas o Império, apoiado pela França, reprimiu as sublevações catalãs e da Biscaia.

Josep-Lluis Carod Rovira, que fala e entende perfeitamente o português, garantiu ter "muitos aliados internacionais" para o que designa "projecto de independência para a Catalunha" mas recusou-se a aprofundar o assunto para não dar "pistas desnecessárias". Para Carod Rovira a situação da Catalunha é específica e não é comparável a nenhuma autonomia ou a qualquer processo de independência. "A Catalunha não é o Kosovo, nem é o País Basco, nem a Madeira", disse, considerando que "os processos de independência passam por três fases: ridicularização, hostilidade e aceitação. Neste momento, estamos entre a primeira e a segunda".

Relativamente à participação activa dos imigrantes na construção de uma futura "República da Catalunha", Carod Rovira afirma que "todos podem vir a colaborar numa nação que é permeável à contribuição exterior". Trata-se de um "projecto integrador", sublinha. "Quero ser independente e quero que Catalunha seja mais um Estado da União Europeia", salientou.

Referendo em 2014

O governante propõe um referendo para 2014 por três razões: a primeira porque em 2014 "assinalam-se os 300 anos sobre a data em que Catalunha perdeu a condição de Estado"; a segunda porque termina o investimento previsto pelo Estatuto de Autonomia da Catalunha, em matéria de infra-estruturas, por parte do executivo espanhol; e em terceiro lugar porque em 2014 acabam as ajudas do Fundo de Coesão Europeu. "O ano de 2014 não é a data para a soberania mas sim para a democracia", afirmou.

Instado sobre se o seu projecto político tem o apoio popular, Carod Rovira diz-se convencido que sim, porque "todos estamos conscientes que a Catalunha não pode esperar mais. O défice com Espanha é insustentável. No ano passado, arrecadámos 140 milhões de euros para instituições sociais e Madrid ficou com 127. Isto é incomportável". Inquirido se o seu projecto de independência pode vir a perder força, tendo em conta que vai deixar de ser presidente da Esquerda Republicana da Catalunha, Carod Rovira responde que há "milhares de pessoas que querem construir um Estado diferente de uma Espanha plural que não existe".

Sobre o futuro da União Europeia, Carod Rovira defende que "todos os europeus querem construir uma Europa mas todos eles a partir do seu Estado. Nunca a Europa esteve tão unida como actualmente, mas também é verdade que nunca houve na Europa tantos estados independentes". O dirigente assumiu que uma visita a Portugal é um "tema pendente porque, afirma, "Lisboa é uma das cidades que mais estimo".

No gabinete oficial, no Palau de la Generalitat, Carod Rovira tem uma fotografia com o ex-presidente da Câmara de Lisboa, João Soares, mas esta não é a única referência a Portugal já que utiliza o menu do telemóvel em português e um cartão de visita bilingue: em catalão e em português. No seu último livro "2014 - Que fale o povo catalão", cita uma passagem de um poema de Manuel Alegre: "Só quem espera verá o inesperado".

Saramago discorda da ideia

O escritor português José Saramago rejeitou hoje que Espanha não encare Portugal como um Estado independente. "Discordo completamente. Tenho com Espanha uma relação que é conhecida e nunca me apercebi de qualquer irregularidade política ou estratégia de qualquer tipo, comercial ou financeiro, que indicasse que Espanha não reconhece a independência de Portugal", disse o Nobel da Literatura.

A residir na ilha espanhola de Lanzarote há vários anos, José Saramago afirmou que "Espanha tem mais coisas em que pensar" do que em estar a "alimentar qualquer tipo de rancor histórico". "A pessoa que fez essas afirmações está a tentar defender os interesses da Catalunha, não acredito nada que esteja interessada em Portugal", sublinhou o escritor que visitou hoje em Lisboa a exposição "José Saramago. A Consistência dos Sonhos".

"Não há nada mais fácil do que afirmar, mas é necessário que se demonstre" o que se diz, disse o escritor, acrescentando que nesses casos "a imprensa fica com uma manchete e não tem mais nada para dizer do que isso. Não aparece a justificação de uma afirmação tão séria e grave como essa".

Lusa - 18/05/2008

17 de maio de 2008

La Mujer Zambeziana… c’est Femme, é (minha) Mulher…



“Esta mulher deve ser de Quelimane, onde as sereias se batem pela posse de um homem Branco para colher o sémen, gerar um filho e encher o mundo com o colorido de uma nova raça.”

Paulina Chiziane, O Alegre Canto da Perdiz


Me rellenas la vida
con uno nuevo color,
tu color,
mi mulata dulce…
piel de melocotón,
mil colores te llaman
mi corazón…
Pero tu color es el tuyo
es tu color, es mi color…
Tu me rellenas la vida. Punto.
Con tu color, calor y olor,
Que es perfume y es sabor.

Toi, tu m’en as tout seul,
Sans partager
Ivre d’amour et désir
Toi, tu m’as pillé
mon cœur
mes dernières nuits de plaisir…

Contigo (claro)...
iremos gerar um filho
e encheremos o mundo com o colorido
(de uma nova raça)
minha princesa
zambeziana
de corpo esguio,
seios doces
(provo)quentes,
de nome longínquo
e olhar decidido...
forte como o Rio
que gerou o Mundo,
onde tu és a Deusa de todas as nascentes,
gérmen e fruto sem cor
e foz de (todo) meu Ser...
teu Amor.

Sei que não és de Quelimane,
mas sim (mo)cubana,
minha princesa
zambeziana...
É-me indiferente
se diferença meu corpo não sente
na tua cor a minha semente...

15 de maio de 2008

Redemption Song - Lauryn Hill feat. Ziggy Marley

Redemption Song... outra vez

Há a Redemption Song do Bob Marley e depois há as inúmeras versoes desta enorme cançao na voz de Ziggy Marley, Rihanna, Lauryn Hill, Alicia Keys, Annie Lennox, Cassandra Wilson, Bob Dylan, Eddie Vedder, Bono, Corneille, etc., etc., etc. Em todas elas, o mesmo arrepio que me percorre o corpo...

Maradona, por Andres Calamaro

Andres Calamaro - Maradona

Maradona no es una persona cualquiera
es un hombre pegado a una pelota de cuero
tiéne el don celestial
de tratar muy bién al balón
es un gerrero
es un ángel y se le ven las alas herídas
es la biblia junto al calefón
tiene un guante blanco calzado en el pié
del lado del corazón
no me importa en que lío se meta
Maradona es mi amigo
y es una gran persona (el diez)
en el alma guardo la camiseta de boca
que me regaló alguna vez
Diego Armando
estamos esperando que vuelvas
siempre te vamos a querer
por las alegrías que le das al pueblo
y por tu arte también.

Ensaio sobre a Cegueira... the movie

"Sei que Ensaio sobre a Cegueira não é o filme mais adequado para anteceder um coquetel e uma festa e sei também que algumas pessoas se sentirão incomodadas com a história, apesar de não haver nada que seja apelativo ou de mau gosto no filme. De qualquer maneira já estou preparando o espírito para uma possível artilharia"... As palavras de Fernando Meirelles (Cidade de Deus e O Fiel Jardineiro), na abertura do Festival de Cannes, onde Blindness, baseado no romance de José Saramago, promete fazer "estragos". Ver mais em: http://blogdeblindness.blogspot.com

Terra Sonâmbula... o filme

Será um prazer "reler" esta esta obra através do mais recente trabalho da Teresa Prata, além de poder ver mais uma vez uma interpretaçao do mestre Aladino. Fico à espera da estreia em Moçambique, com a presença da própria realizadora. Se nao der para estar, pode ser que alguém me envie uma cópia para os confins de Cabo Delgado... sim?!

14 de maio de 2008

Découvrir Corneille!


Um disco (2 volumes) deste ruandês fugido do genocídio para ouvir compulsivamente...



As versoes de Redemption song, Roxanne e Sexual healing sao arrepiantes e há cançoes em francês (versao acústica) a destacar como: Sans rancune, Qu'est-ce que tu te fais ?, Ensemble, Toi ou Seul au monde...



Estas cançoes foram gravadas na Cigale (Paris), em Março de 2004 e o disco foi posto à venda em 2005. Ver em FNAC!

É o disco que quero ouvir agora...

12 de maio de 2008

Pangea Day!

Sim... em Maputo (onde vim estragar-me uns dias) também se comemorou o Pangea Day, com a transmissao em directo (num canal árabe) das cerca de 150 curtas-metragens (incluindo 4 mocambicanas). Estivemos todos unidos no Chez Rangel na Estacao de Caminhos de Ferro de Maputo. Parabéns pela iniciativa! E pelo concerto dos Kakana com a divina Yolanda...

10 de maio de 2008

Zwartboek


Ainda cheguei a tempo de assitir ao 7 Ciclo de Cinema Europeu de Maputo.

Algumas obras de gosto muito discutível... Foi o que se pode arranjar, nao?!



A ler o comentário de JPT sobre o filme Zwartboek, de Paul Verhoeven... Usar o termo "corrosivo" talvez seja lisonjeiro sobre este post...

Mas, ainda bem que há alguém que vê sempre o outro lado das coisas e nao se deixa vender...