28 de agosto de 2009

Outros aproveitarão...

Solidariedad con miembros de la Asamblea Popular de los Pueblos de Oaxaca

Queridos compañeros/as, amigos/as, conocidos/as

Como sabréis, llevo algunos años implicada de forma más o menos directa en el apoyo que desde CIC Batá se viene ofreciendo a un grupo de personas en Méjico. Estas personas componen el CIPO (Consejo Indígena Popular de Oaxaca) que es una organización que aglutina a una buena parte del 70% de población zapoteca que tiene este estado mejicano y que se dedica a luchar pacíficamente por la defensa de los modos de vida y los territorios indígenas.

La situación de corrupción, violencia, impunidad y constante violación de los derechos más fundamentales de la población, en Méjico, no creo que sea una novedad para nadie. La situación del estado de Oaxaca no difiere mucho de la del resto del país pero no pretendo enrollarme, solo hablaros de un caso concreto y conocido de forma directa y personal por mí y trataré de resumirlo, pero os ruego que dediquéis unos minutos a leer este escrito porque no es fácil hablar de algo así en dos líneas.

Recordaréis que en el año 2006 hubo una gran crisis en Oaxaca, se provocó una revuelta popular que duró más de 7 meses y que tuvo en jaque a la mitad del gobierno mejicano durante una buena cantidad de tiempo. Esta noticia salió en los telediarios del mundo durante una temporada (hasta que el tema “aburrió”). El origen del conflicto fueron las manifestaciones de los maestros pidiendo una mejora de sus condiciones laborales, hecho que se viene repitiendo en la ciudad de Oaxaca, año tras año, desde hace décadas, con la diferencia de que las manifestaciones de ese año 2006 fueron recibidas por un nuevo Gobernador (Ulises Ruiz Ortiz - URO) que acababa de llegar al poder y resultó más déspota que sus predecesores y que decidió mostrar “su poderío” enviando a la policía y al ejército a reprimir estas manifestaciones de cualquier forma, aunque ello implicara una violencia brutal y desmesurada contra todo el mundo, indiscriminadamente.

La respuesta terriblemente desproporcionada del gobierno hacia los maestros, lejos de amedrentar a los manifestantes, provocó una reacción espontánea de solidaridad del pueblo oaxaqueño hacia esos compañeros y lo que se logró fue que donde un día había 2.000 manifestantes al siguiente eran 60.000 las personas que estaban poniendo su cara para defender la libertad de expresión.

La situación se fue de las manos y hubo heridos, secuestrados, torturados, desaparecidos y muertos. El caso ahora está en manos de la Corte Interamericana de DD.HH., hubo muchas organizaciones internacionales (AI entre ellas) que se trasladaron al lugar y que posteriormente han emitido informes al respecto… también mucha prensa internacional siguió de cerca este conflicto durante meses. El propio presidente de Méjico (por aquel entonces Fox) pidió personalmente a URO que dimitiera, pero él se negó.

Entre los muertos durante el conflicto, el más “problemático” fue, y sigue siendo, el asesinato de Brad Wills, un periodista norteamericano asesinado en la Colonia Santa Lucía, muy cerca de la casa donde el CIPO realiza su trabajo. La muerte de este chico ha tenido una repercusión especial por dos razones: la primera porque era estadounidense, no mejicano, y la segunda porque el pobre tuvo la desgracia de filmar su propia muerte y de tener la sangre fría de continuar grabando mientras un policía de paisano le apuntaba y disparaba sin más motivos que el de estar grabando un enfrentamiento entre policía y vecinos de esta colonia, cuando los primeros trataban de disolver una manifestación.

En mi visita a Méjico del año 2007 tuve ocasión de ver personalmente estas últimas imágenes que Brad grabó. He visto la cara del hombre que disparó y se que se puede identificar perfectamente. Yo no le conozco, pero si es cierto que es policía, como dicen, la policía no debería tener grandes problemas para identificarlo.

El asunto es que el caso nunca se esclareció… lo cual es realmente extraño porque teniendo la imagen del asesino ¿cómo es posible que en casi 3 años no hayan dado con él?, el gobierno ha pretendido que este caso quedara en el olvido como el de otra gente asesinada y desaparecida durante los 7 meses que duró este conflicto… pero la familia de este chico ha estado presionando a su gobierno y éste a su vez al de Méjico y alguien necesita un culpable para que todos se queden tranquilos.

Estando en Oaxaca en el año 2008, reunida con Miguel (uno de los miembros del CIPO) hablando de uno de los proyectos que por aquel entonces teníamos en marcha, éste recibió delante de mi una llamada telefónica advirtiéndole que mirase el periódico puesto que salía una noticia en la que se decía que la policía había dado con los asesinos de Brad Wills y que el estado mejicano iniciaría medidas contra ellos. De hecho la publicación advertía que había una orden de detención contra estas personas. A continuación nombraban a 4 personas y para nuestro asombro vimos que el nombre de este compañero con él que yo estaba, Miguel Cruz Moreno, aparecía entre ellos. Casualmente tanto Miguel como los otros 3 nombrados son miembros de la APPO (Asamblea Popular de los Pueblos de Oaxaca) que se creó durante estos meses de conflicto y que tenía como objetivo principal desenmascarar al gobernador (URO) y hacer públicas (nacional e internacionalmente) sus prácticas abusivas y la impunidad de sus actos de violencia contra toda persona que se manifestase en contra del gobierno. Todos ellos son también, simpatizantes de “la otra campaña” impulsada por los hermanos zapatistas del estado vecino, Chiapas.

El resto de la historia os la resumo… solo deciros que por el momento Miguel no ha entrado en prisión, todavía (nadie sabe dónde están esas supuestas órdenes de detención). Tampoco los otros 3 imputados. Este circo de proceso judicial (altamente corrompido) está acompañado desde hace un año de un proceso de acoso psicológico bastante insoportable. A día de hoy Miguel no puede salir solo a la calle, en ningún momento (todos saben que el día que lo haga desaparecerá, como tantos otros). La casa del CIPO ha sido allanada ilegalmente en diversas ocasiones, tanto él como todos los que le apoyan reciben amenazas anónimas constantes y un sinfín de detalles más que hacen de su vida un tormento. Aún así, que sepáis que al día siguiente de leer esta noticia en el periódico los 4 imputados, junto con los abogados de la APPO, dieron una rueda de prensa (a la que acudí con Miguel para garantizar su seguridad) y en la que mostraban las pruebas de su inocencia y solicitaban que el gobierno hiciera lo mismo: mostrara las pruebas de su culpabilidad (cosa que no ha sucedido aún).

A pesar de todo, a pesar de que cada 15 días Miguel se tiene que presentar en el juzgado y cada dos por tres sale su nombre en el periódico, él sigue adelante, trabajando y mostrando una dignidad y una valentía que a mí personalmente me emocionan. Puedo poner la mano en el fuego por Miguel, le conozco y se que todo lo que ha hecho en su vida es luchar por los derechos de sus hermanos indios, por evitar que se siga abusando de las poblaciones indígenas, por mantener sus creencias zapotecas y su manera de ver la vida, la organización comunitaria y el mundo. Puedo poner la mano en el fuego por él, además, porque vi esas imágenes, vi la cara de la persona que disparó a Brad Wills y se que no era Miguel.

Os he contado todo esto (quien quiera más información imagino que en Internet encontraréis muchos datos pero también os invito a visitar la web del CIPO: www.nodo50.org/cipo y a pedirnos vídeos y libros que tenemos en Batá con más información al respecto) porque en Oaxaca están iniciando una campaña de apoyo a estos 4 compañeros y nos piden apoyo, apoyo internacional que es lo único que, lamentablemente, puede frenar a los impunes gobernadores mejicanos.

Para este apoyo solo quieren nombres, nombres de personas que quieran solidarizarse y creer en la inocencia de 4 personas acusadas injustamente de un delito que no cometieron por el simple hecho de que el gobierno necesita encontrar una “cabeza de turco” (y de paso desestabilizar un poco más a los grupos indígenas que luchan por sus derechos). Obviamente yo ya he firmado.

Si quieres mostrar tu apoyo solo tienes que enviarme tu nombre y tu número de pasaporte o de DNI. Con todos los nombres que recopilen (también sirven nombres de colectivos, no necesariamente tienen que ser individuales) elaborarán un cartel en el que estos nombres se harán públicos y servirán como parte de la campaña de difusión en los medios. La única forma de parar esto es logrando que la opinión pública internacional se haga eco. Estaré recopilando nombres hasta el viernes 04 de septiembre y posteriormente se los enviaré por correo electrónico a Miguel, tal y como he acordado con él.

Si, además, quieres hacer un donativo para esta campaña (es opcional) puedes enviarlo a:

NOMBRE: CIPO-RFM
Banco Nacional de México. SA.
Domicilio: Hidalgo Nº 821. Colonia Centro, Oaxaca. C.P.68000, Sucursal
Oaxaca, No.120
Suit: Banamex: BNMXMXMM
Cuenta: 002610012077451770.

Gracias de antemano por tu confianza, comprensión y solidaridad.


Marta

26 de agosto de 2009

Pobres dos Nossos Ricos, por Mia Couto



A maior desgraça de uma nação pobre é que em vez de produzir riqueza, produz ricos.

Mas ricos sem riqueza.

Na realidade, melhor seria chamá-los não de ricos mas de endinheirados.

Rico é quem possui meios de produção.

Rico é quem gera dinheiro e dá emprego.

Endinheirado é quem simplesmente tem dinheiro. ou que pensa que tem.

Porque, na realidade, o dinheiro é que o tem a ele.

A verdade é esta: são demasiados pobres os nossos "ricos".

Aquilo que têm, não detêm.

Pior: aquilo que exibem como seu, é propriedade de outros.

É produto de roubo e de negociatas.

Não podem, porém, estes nossos endinheirados usufruir em tranquilidade de tudo quanto roubaram.

Vivem na obsessão de poderem ser roubados.

Necessitavam de forças policiais à altura.

Mas forças policiais à altura acabariam por lança-los a eles próprios na cadeia.

Necessitavam de uma ordem social em que houvesse poucas razões para a criminalidade.

Mas se eles enriqueceram foi graças a essa mesma desordem (...)



MIA COUTO

24 de agosto de 2009

Um sítio de ninhos


A minha casa fica no ar.

No Verão, abro as janelas o dia inteiro.

A minha casa fica na copa de uma velha árvore alta, entre ramos e folhagem, para que eu exista no mundo como se não lhe pertencesse.

Hoje, ao anoitecer, uma andorinha-bebé entrou pela janela da sala e ficou voando aos círculos, perdida, sem compreender por onde entrara.

Escondeu-se na estante, num vão entre livros, local onde fui resgatá-la, fechando-a muito de leve na concha das mãos, olhando-lhe o biquinho, a ponta da cauda, só um instante, a medo.
Assustava-se.

Como pensa uma andorinha-bebé que ainda não conhece a vileza?

"Estou neste lugar; não é o meu; quero sair deste lugar."

Mais nada. Quando me aproximei, terá pensado, "um bicho grande e feio: não quero ser apanhada. Bato as asas."

Pousei-a no rebordo da janela, e abri as mãos, com pena; percebeu-se livre e voou em direcção ao Mar da Palha. Perdi-a de vista muito antes.


Um dia a minha casa será um pombal, um sítio de ninhos, e quem chegar não me encontrará, porque estarei a catar as outras aves da minha espécie...


(Via facebook Joana Duarte)

Há palavras que nos beijam



Há palavras que nos beijam
Como se tivessem boca,
Palavras de amor, de esperança,
De imenso amor, de esperança louca.

Palavras nuas que beijas
Quando a noite perde o rosto,
Palavras que se recusam
Aos muros do teu desgosto.

De repente coloridas
Entre palavras sem cor,
Esperadas, inesperadas
Como a poesia ou o amor.

(O nome de quem se ama
Letra a letra revelado
No mármore distraído,
No papel abandonado)

Palavras que nos transportam
Aonde a noite é mais forte,
Ao silêncio dos amantes
Abraçados contra a morte.



(Via facebook Joana Duarte)

La Flor Más Grande del Mundo

Um lado menos conhecido do genial José Saramago...

18 de agosto de 2009

Palavras mágicas


"Isto do amor e da paixão é tudo uma grande maçada para a qual não fomos preparados!

A cultura ensinou-nos a desgostar, trair, a dissimular; treinou-nos para a melhor aparência de sensatez e de modéstia, não a verdadeira sensatez ou modéstia; a melhor forma de falar e nada dizer.

Em alternativa, não falar. E é nisso que somos peritos.

O que interessa é chegar à hora de fechar os olhos, passe o eufemismo, sem ter sido inconveniente, sem ter pronunciado uma palavra comprometedora. Como se fôssemos ingleses.

Álvaro de Campos explica isto maravilhosamente no Poema em Linha Recta.

No Reino Unido não sei como é (o mais próximo que daí estive foi em transfer, no aeroporto de Gatwick, entre funcionários de origem paquistanesa).

Não sei se se chamam “you, son of a bitch”, a cada esquina, mas, em Portugal, chamar a alguém filho da puta é cool; “ó meu grande cabrão”, por exemplo, é uma expressão de ternura.

Inversamente, dizer “meu amor” é absolutamente ridículo.

Os amantes mimoseiam-se com ternuras como “és um estúpido” ou “ó minha gorda”, em lugar de “amo-te” e “ó minha querida”.

As pessoas tratam-se tão mal que nem dão por ser maltratadas.

E vivem assim, sem nunca chegar a perceber por que são infelizes, uma existência de generalizado amor-tabu.

De horror à expressão amorosa.

O verbo amar é o exemplo gramatical usado para se ensinar toda a primeira conjugação, nomeadamente nas línguas românicas, mas é um verbo parecido com o Latim: morto; não se fala, logo, esquece-se.

Usa-se apenas a título de exemplo.

Não passa pela cabeça de ninguém afirmar, a meio de uma conversa de café, “eu cá, amo a minha irmã”! Muito menos, “amo o meu cão, as roseiras do meu jardim ou as paredes da casa que construí”.

Não faltava mais nada. Aqui ninguém ama nada nem ninguém. Quanto muito, “gosta-se de”....

No auge da paixão, “adora-se”. Mas adora-se sem se saber o que significa adorar, apenas porque parece um bocado mais forte, mas não mete ao barulho a palavra interdita: amor.

Amor, assim mesmo, um “amo-te” redondo, só nós, meninas, é que ainda nos aventuramos.

Os homens dão-nos o desconto, porque somos assim, ou seja, mulheres, e trazemos acoplado o problema do excesso de expressão: se não falamos, rebentamos. Mas não são eles que se vão habilitar a devolver “amo-te” a torto e a direito. Porque isso do “amo-te” é um grande compromisso.

Portanto, como resposta, ouvimos o habitual “também gosto muito de ti” ou “és muito especial para mim”.

Sinceramente, tenho algumas saudades das fotonovelas da minha infância, o Corin Tellado, se não me engano, e outras, com histórias sempre iguais.

Acreditei piamente naquilo; convenci-me que um dia também me haviam de dizer, como lhes diziam a elas, e quero lá saber se era para as convencer, se era lamechas e ridículo “amo-te como nunca amei ninguém!”

E, sou sincera, até lá..."


por Isabela Figueiredo
(via Joana Duarte, Facebook)

DECLARAÇÃO DE REVOLUCIONÁRIOS CULTURAIS


Esta é uma experiência aberta.

É um pôr em palavras de algo que já está no ar.
Quanto mais esta declaração for lida, pensada ou debatida, mais a sua energia se irá manifestar no nosso mundo e na nossa sociedade.
Se sentes que o que aqui segue escrito ressoa contigo, faz desta também a tua declaração. Procura maneiras de a reler, de a partilhar, e de a colocar em acção.

DECLARAÇÃO DE REVOLUCIONÁRIOS CULTURAIS 2009

Os Revolucionários Culturais, em 2009 …

_vivem, agem e trabalham com e não contra a natureza
_sabem que a vida é demasiado complexa para ser entendida a nível intelectual
_criam e apoiam economias locais e auto-reguladas
_valorizam e protegem a diversidade de qualquer tipo
_valorizam e praticam a interdependência, uma vez que sabem que nada é realmente independente
_consideram-se equivalentes a todas as formas de vida
_protegem e apoiam a vida
_amam e apoiam incondicionalmente as crianças
_trabalham em si mesmo para uma maior consciencialização
_estão familiarizados com os princípios ecológicos e integrám-nos nas suas vidas
_consideram a música e a dança como uma parte integrante da sua expressão e da sua comunicação
_vivem numa terra animada de vida e consideram-na como algo sagrado
_entregam-se e comprometem-se em benefício da sua comunidade
_sabem cultivar os seus próprios alimentos
_experienciam e apreciam a sua percepção sensorial
_celebram a vida
_cooperam
_deixam de pensar de forma “x ou x” para pensar de forma “x e x”
_partilham conhecimentos
_integrar o estar em processo como uma forma de ser e estar
_não se identificam com o seu corpo, nem com os seus pensamentos ou emoções
_vêem a mente como uma ferramenta
_apercebem-se de que não existe Bem ou Mal
_não se identificam com qualquer tipo de rótulo ou categoria social, nem com o seu passado ou o seu futuro
_estão conscientes de que a essência de quem eles são é a própria vida
_assumem a responsabilidade pelas suas emoções
_estão conscientes e valorizam as suas relações com tudo o que de vivo e aparentemente não vivo os rodeia
_valorizam e integram a sabedoria das mulheres
_valorizam e integram a sabedoria das culturas indígenas
_participam e investem em construir relacionamentos no lugar onde vivem
_valorizam o conhecimento generalista
_estão cientes que a mudança é um dos princípios fundamentais da evolução
_trabalham para a diversificação e descentralização
_evoluem do estado de consumidores dependentes para o de produtores responsáveis
_estão à procura de formas pelas quais os seus interesses e os seus
talentos se possam desenvolver
_resistem e eventualmente desobedecem a qualquer lei que ilegalize formas de auto-governo, auto-produção e sustentabilidade
_estão informados sobre o actual sistema monetário e identificam-no como uma forma contemporânea de escravidão
_identificam e boicotam monoculturas biológicos, culturais, sociais e filosóficas
_boicotam monopólios de qualquer tipo
_questionam quem quer que promova uma única solução
_valorizam a ética ambiental e humana sobre qualquer tipo de maximização de lucros
_boicotam empresas e bancos que operem com fins puramente lucrativos e de de maximização de lucros
_estabelecem terras e florestas como bem comum
_estabelecem a água como bem comum
_estabelecem a biodiversidade e o conhecimento como bem comum
_estão conscientes de que todo o tempo participam no processo de co-criação
_permitem que a vida se desenvolva através deles

Berlin, 03/2009

www.culturalrevolutionaries.org

Mbate Pedro: a nova Poesia Moçambicana




Obrigatório descobrir este Poeta e Médico moçambicano: Mbate Pedro.

Como bem-trata a língua portuguesa, num país onde ela parece às vezes já não ter forças para resistir...

Este Poeta, médico de formação (e de profissão, presumo) é mais uma prova de que pelo menos a Poesia em Moçambique não está moribunda...

No fim, sobra sempre a Poesia e a Coragem de alguns Homens.

Repito, a Coragem de alguns Homens.

Depois de lerem este "Minarete de Medos e Outros Poemas", poderão perceber melhor que com este Poeta, de seu nome Mbate Pedro, para os medos que teimam persistir neste país, não há melhor lugar que o "cu dos tiranos enfatados":

no cu dos tiranos enfatados

uns coleccionam
dívidas mágoas ressacas
pernas estropiadas jardins
de osso nas frontes
dores de cotovelo às carradas
armários com dores implumes
toneladas de livros medíocres
ciúmes de uma vírgula ou até
a náusea do vómito

outros coleccionam
meia dúzia de garinas
crisântemos margaridas toupeiras
no ânus baboseiras merdas
medos porradas traições
agressões o sexo a despropósito álgida
a noite de um putedo sem chama

há os que coleccionam a madrugada
entre as pernas arqueadas abrigos
no chão da memória esconderijos
ao relento da alma a ausência
de um beijo melancolias estilhaços
e há também quem coleccione disfarces
no torpor da mentira

amada
quem colecciona o pudor do nu
no cu dos tiranos enfatados?




Uma bela surpresa esta, entre muitas outras neste livro-poema!

Obrigado Moçambique! Obrigado Mbate Pedro!

11 de agosto de 2009

Cinema Brasileiro em Maputo



O Ciclo de Cinema Brasileiro decorre entre os dias 11 e 24 de Agosto,

no Centro Cultural Brasil-Moçambique, às 18H00.


Centro Cultural Brasil-Moçambique

Av. 25 de Setembro, 1728 esquina com Av. Karl Marx

Tel: 21 306840

Maputo

Art Bar Café: programação semanal


QUI 13-08 | DELTA JAM SESSION

Estra semana vamos voltar ao k eram as Jam Sessions inicialmente

….AKOUSTIC JAM SESSIOIN…só mudam os protagonistas, o felling mantem-se…Ferreira e Gaspar nas guitarras clássicas…

Não perca esta noite dedicada às origens, ao cru…Back 2 the Roots…

23h no melhor espaço beirense

EXPERIMENTE esta INICIATIVA

SEX 14-08 | MCEL EXPRESS ARTE SESSION

22h – 23h Workshop de Pintura com NHAMBESSA ao som de ritmos bema africanos… Timbilas e Djambés… com John ( the italian rasta Guy)

… e depois Aula Aberta para todos os ANDY WARHOLS que vivem dentro de alguns de nós…haverá uma tela disponível para se poder EXPRESSAR

Traga Criatividade e vontade de beber mais um copo…nós tratamos do resto

JUNTOS pintamos MELHOR

SÁB 15-08 | SALSA NIGHTS@PALCO MILLENNIUM BIM

Esta sexta convidamo-lo(a) para uma noite “Caliente” neste inverno

rigoroso…Aula Aberta de SALSA no PALCO MILLENNIUM BIM com alguns

dos melhores dançarinos da cidade da Beira

…é coisa para começar akela hora das 22e30, e acabar…não se sabe quando…

Não perca mais uma oportunidade para aprender (ou não) a dançar…

dispa-se de preconceitos e adira a esta noite de Salsa@Palco Millennium Bim

DANCE com esta INICIATIVA

Francisco Ferreira

ABC - 1 espaço altamente fibrado

Junte-se e divirta-se à Séria

1 Forte Abc

ABC, Lda – Art Bar Café

Beira - Mozambike

www.artbarcafe.co.cc

10 de agosto de 2009

Amo. logo existo!


“… o amor ou, melhor dizendo, a capacidade de amar, apesar de ser uma palavra tão repetida e até tão maltratada, ainda não sabemos bem o que é. A própria vida mete-nos medo e isso, ainda que pareça contraditório, dá-nos segurança.

O nosso maior medo é que nos tirem os medos, porque os medos são os mantos nos quais nos envolvemos para não ver nem ser vistos, para não amar nem ser amados…

Ainda que muita gente vá dizendo que está à procura da felicidade, a verdade é que não quer ser feliz.

Muitos gostam mais de estar no ninho do que de voar.

Ao fim e ao cabo, o medo é uma coisa conhecida e a felicidade não.

O mal é muitos equiparam a felicidade a conseguir o objecto do seu desejo, e não se apercebem ou não querem saber que a felicidade consiste precisamente na ausência dos desejos e dos apegos, numa situação em que nenhuma pessoa ou coisa tenha poder sobre nós.

Dificilmente se pode dar amor se antes não se estiver cheio de amor, e dificilmente se pode estar cheio se se estiver repleto de preconceitos e de medos. O contrário do medo é o amor e onde existe amor não há qualquer medo nem ódio.

Não temos de esperar um futuro incerto privando-nos agora dos prazeres da vida.
A vida eterna está aqui, é agora.

Não temos de perder a maravilha da vida à espera de uma coisa que há-de chegar sabe Deus quando.

O tempo não existe e o amor transcende o tempo.

Se não formos capazes de saborear cada instante da vida, estamos a perder uma parte substancial dela…”

Jesus Calleja, Do Prólogo
de La Reina de las Hadas

Sérgio Godinho, José Mário Branco e Fausto vão estar juntos em palco


Três dos maiores 'cantautores' da música portuguesa vão estar juntos em palco em dois concertos marcados para o mês de Outubro. O espectáculo, intitulado ‘Três Cantos’, será apresentado no Campo Pequeno, em Lisboa, no dia 22 de Outubro e, a 31 do mesmo mês, no Coliseu do Porto.

9 de agosto de 2009

Marnie Stern - Transformer

Enquanto se espera por algum vídeo do novo álbum: "This Is It And I Am It And You Are It And So Is That And He Is It And She Is It And It Is It And That Is That"... fiquem com este "Transformer" de 2007.

8 de agosto de 2009

Trans-Siberiano



Passem por este site de uns amigos que cumprem com o sonho deles, e que é sem dúvida o de muitos de nós, de fazer o trans-siberiano, neste caso o Trans-Mongoliano, em:


Excelente em todos os aspectos e uma óptima fonte de informação para podermos seguí-los um dias destes...

Boa viagem!

Acabou a crise! Seinfeld regressa à televisão...


Onze anos depois do fim de Seinfeld, o cómico juntou-se a Ellen Rakieten para criar The Marriage Ref.

Para já estão garantidos seis episódios, que deverão começar a ser gravados em Março de 2010.

A nova série terá como tema a vida matrimonial.

«Depois de nove anos de casamento descobri que o potencial cómico do tema é bastante rico», explicou Seinfeld…


http://www.thrfeed.com/2009/02/jerry-seinfeld-nbc-reality-series.html

http://www.nytimes.com/2009/02/27/arts/television/27sein.html?_r=1

http://www.variety.com/article/VR1118000589.html?categoryid=14&cs=1

4 de agosto de 2009

Esta Semana@Art Bar Café - Beira




QUI 06-08 | DELTA JAM SESSION

Espera-se k seja ainda melhor que a da semana passada…k foi muito boa….
esta semana contamos com Ferrira ( Guitar), Gaspar ( Baixo ), e DK e o 3ºBloko dos Incultos, Nelo, Imb, Stress e Mente Suina…a fusão do Hip-Hop com Blues, e Reggae….parece k jah criou raízes

…e tudo isto pelakela hora das 23…

EXPERIMENTE esta INICIATIVA


SEX 07-08 | MCEL DJ JAM SESSOIN

Esta sexta voltamos a convidar tdos os Djs e não Djs desta terra e da outra para se juntarem a esta Noite… Traga o seu som, em cd, em mp3,4, iPod…. Disco… o k kizer

Traga muita vontade de tokar e animar a Beira… 23H

JUNTOS tokamos MELHOR


SÁB 08-08 | NOITE DE JAZZ@PALCO MILLENNIUM BIM

Este sábado dedicamos às vibrações do JAZZ…

23h – JazyBoy@MILLENNIUM BIM

Beidida da Noite – Jazzy Shot

Sinta-se Jazz…com esta INICIATIVA!

Francisco Ferreira

ABC - 1 espaço MANINGUE nice

Junte-se e divirta-se à Séria

1 Forte Abc


ABC, Lda – Art Bar Café

Beira - Mozambike

www.artbarcafe.co.cc