7 de outubro de 2009

Desnoções e Algibeiras




para ser grilo
há que ter algibeiras
onde também caibam silêncios.

ser sorrateiro
espreitando entre dois fios de relva.

saber fazer uma teia invisível
onde o infinito se armadilhe.

encarar o universo com
demasiada intimidade
- a modos que quintal.

saber:
que as estrelas encarecem
de carinho
e brilham para mais desanonimato;

sonetar com roncos de garganta
desminando rebentamentos no coração.

para ser grilo
há que ter desnoções.

viver que:
há só uma distanciaçãozinha
entre apalmilhar um quintal
e acomodar estrelas num abraço.

ONDJAKI