30 de novembro de 2009

Suiça não quer mais... Minaretes


Visto pelo sempre genial Toix...

Carta aberta ao primeiro-ministro José Sócrates

por João Miguel Tavares


Excelentíssimo senhor primeiro-ministro: Sensibilizado com o que tudo indica ser mais uma triste confusão envolvendo o senhor e o seu grande amigo Armando Vara, venho desde já solidarizar-me com a sua pessoa, vítima de uma nova e terrível injustiça. Quererem agora pô-lo numa telemovela - perdoe-me o neologismo - digna do horário nobre da TVI é mais um sintoma do atraso a que chegámos e da falta de atenção das pessoas para as palavras que tão sabiamente proferiu aquando do último congresso do PS: "Em democracia, quem governa é quem o povo escolhe, e não um qualquer director de jornal ou uma qualquer estação de televisão." O senhor acabou de ser reeleito, o tal director de jornal já se foi embora, a referida estação de televisão mudou de gerência, e mesmo assim continuam a importuná-lo. Que vergonha.

Embora no momento em que escrevo estas linhas não sejam ainda claros todos os contornos das suas amigáveis conversas, parece-me desde já evidente que este caso só pode estar baseado num enorme mal-entendido, provocado pelo facto de o senhor ter a infelicidade de estar para as trapalhadas como o pólen para as abelhas - há aí uma química azarada que não se explica. Os meses passam, as legislaturas sucedem-se, os primos revezam-se e o senhor engenheiro continua a ser alvo de campanhas negras, cabalas, urdiduras e toda a espécie de maldades que podem ser orquestradas contra um primeiro-ministro. Nem um mineiro de carvão tem tanto negrume à sua volta. Depois da licenciatura na Independente, depois dos projectos de engenharia da Guarda, depois do apartamento da Rua Braamcamp, depois do processo Cova da Beira, depois do caso Freeport, eis que a "Face Oculta", essa investigação com nome de bar de alterne, tinha de vir incomodar uma pessoa tão ocupada. Jesus Cristo nas mãos dos romanos foi mais poupado do que o senhor engenheiro tem sido pela joint venture investigação criminal/comunicação social. Uma infâmia.

Mas eu não tenho a menor dúvida, senhor engenheiro, de que vossa excelência é uma pessoa tão impoluta como as águas do Tejo, tirando aquela parte onde desagua o Trancão. E não duvido por um momento que aquilo que mais deseja é o bem do País. É isso que Portugal teima em não perceber: quando uma pessoa quer o melhor para o País e está simultaneamente convencida de que ela própria é a melhor coisa que o País tem, é natural que haja um certo entusiasmo na resolução de problemas, incluindo um ou outro que possa sair fora da sua alçada. Desde quando o excesso de voluntarismo é pecado? Mas eu estou consigo, caro senhor engenheiro. E, com alguma sorte, o procurador-geral da República também. Atentamente, JMT.

A Escola em Portugal



21 de novembro de 2009

Geraldine

Era uma vez, numa manhã, Geraldo acordou transformado numa mulher...

O Retrato dos Portugueses




Depois de mais uma reunião, alguns Chefes-de-Governo resolvem passar pelo Louvre para "aliviar" o stress e param meditativos perante um excelente quadro de Adão e Eva no Paraíso.

Desabafa Angela Merkel:
- Olhem que perfeição de corpos: ela esbelta e esguia, ele com este corpo atlético, os músculos perfilados... São necessariamente estereótipos alemães.

Imediatamente Sarkosy reagiu:
- Não acredito. É evidente o erotismo que se depreende de ambas as figuras... ela tão feminina... ele tão masculino... sabem que em breve chegará a tentação... Só poderiam ser franceses.

Movendo negativamente a cabeça, o Gordon Brown arrisca:
- Of course not! Notem... a serenidade dos seus rostos, a delicadeza da pose, a sobriedade do gesto... Só podem ser Ingleses.

Depois de alguns segundos mais de contemplação, Sócrates exclama:

- NÃO CONCORDO. Reparem bem: não têm roupa, não têm sapatos, não têm educação, não têm casa, só têm uma maçãzinha para comer... não protestam e ainda pensam que estão no Paraíso... Não tenham a menor dúvida, são Portugueses!

Sobre a Gripe A e não só...

Polémicas declaraçoes da e-Ministra da Saúde da Finlândia, Rauni Kilde.

13 de novembro de 2009

5 razões para não usar preservativo

O anúncio português "Cinco razões para não usar preservativo" foi considerado o melhor anúncio governamental europeu de prevenção da sida num concurso internacional, dinamizado pelo Governo alemão.

4 de novembro de 2009

Presentación antología Cuento Atrás


06/11/2009
19:00 - 20:00
Barcelona - Sala ÀMBIT CULTURAL de El Corte Inglés de Portal del Àngel

El candidato a vacuna contra la malaria RTS,S, encaminado a la recta final hacia el registro



El control de la malaria es uno de los problemas más urgentes al que se enfrentan las personas expertas en salud pública internacional. La malaria es endémica en 80 países, donde se declaran alrededor de 247 millones de casos cada año. A pesar de los esfuerzos de control aplicando medidas como las mosquiteras y los tratamientos farmacológicos preventivos (profilaxis), la malaria continúa matando cerca de 900.000 personas cada año. África concentra el 86% de los 247 millones de nuevos casos anuales; 20 millones de los cuales son niños y niñas menores de un año. La malaria es la primera causa de muerte en África. Tal como señala Clara Menéndez, doctora e investigadora del Centro de Investigación en Salud Internacional de Barcelona (CRESIB), “de tratamientos hay, pero no llegan a los enfermos de casi ningún país de África subsahariana, que es donde hay más malaria”.

Pedro Alonso, director del CRESIB y del Centro de Investigación de Manhiça (Mozambique), lidera los ensayos de la RTS,S, de GlaxoSmithKline Biologicals, el primer candidato a vacuna contra la malaria y el que recibe mejor apoyo de laPATH Malaria Vaccine Initiative (MVI).

Hasta el momento se han llevado a cabo los estudios de fase I y II de la RTS,S con más de 2.000 niños y niñas de entre 1 y 4 años, los cuales han servido para corroborar los niveles de seguridad y los niveles de eficacia. Estos estudios demuestran que es capaz de reducir los episodios clínicos de malaria grave un 38 % y los casos de malaria leve un 30%. Los últimos estudios publicados este año han demostrado que puede inducir esta eficacia hasta 45 meses después de su administración. La RTS,S, pues, es el primer candidato a vacuna contra la malaria que demuestra una eficacia significativa y un perfil de seguridad clínica aceptable. Por esto queda justificada la ya iniciada fase III de su ensayo clínico, la cual incorpora hasta 16.000 niños y niñas de 11 centros ubicados en 7 países africanos: Mozambique, Tanzania, Burkina Faso, Gabón, Ghana, Kenya y Malawi. Se espera que esta investigación confirme en una gran cohorte de niños y niñas la eficacia y el perfil de seguridad de la RTS,S. “Será una vacuna de primera generación. Su eficacia será moderada y no se administrará a todos los grupos de población, se deberán definir cuáles serán", comenta el Dr. Alonso.

Así pues, si se obtienen lose resultados esperados, se prevé que entre el 2010 y el 2011 se presente la primera solicitud oficial para luz verde al registro de la RTS,S a las agencias encargadas de autorizar su comercialización: la FDA (Food and Drug Administration) en los Estados Unidos y la EMEA (Agencia Europea del Medicamento) en Europa.

Fuente: El País

Foto: Centro de Salud de Manhiça (Mozambique) - HOSPITAL CLÍNIC

Vie, 30/10/2009 - 14:25 —