27 de janeiro de 2010

Celda 211

Um dos melhores filmes do cinema espanhol! É daqueles filmes que um dia tanto poderá visto nas faculdades de Ciências Políticas ou de Psicologia... como nas escolas de Cinema...

22 de janeiro de 2010

EL SÍNDROME DEL CORONEL TAPIOCA


Hace treinta y dos años desaparecí en la frontera entre Sudán y Etiopía. En realidad fueron mi redactor jefe, Paco Cercadillo, y mis compañeros del diario Pueblo los que me dieron como tal; pues yo sabía perfectamente dónde estaba: con la guerrilla eritrea. Alguien contó que había habido un combate sangriento en Tessenei y que me habían picado el billete. Así que encargaron a Vicente Talón, entonces corresponsal en El Cairo, que fuese a buscar mi fiambre y a escribir la necrológica. No hizo falta, porque aparecí en Jartum, hecho cisco pero con seis rollos fotográficos en la mochila; y el redactor jefe, tras darme la bronca, publicó una de esas fotos en primera: dos guerrilleros posando como cazadores, un pie sobre la cabeza del etíope al que acababan de cargarse.

Lo interesante de aquello no es el episodio, sino cómo transcurrió mi búsqueda. La naturalidad profesional con que mis compañeros encararon el asunto. Conservo los télex cruzados entre Madrid y El Cairo, y en todos se asume mi desaparición como algo normal: un percance propio del oficio de reportero y del lugar peligroso donde me tocaba currar. En las tres semanas que fui presunto cadáver, nadie se echó las manos a la cabeza, ni fue a dar la brasa al ministerio de Asuntos Exteriores, ni salió en la tele reclamando la intervención del Gobierno, ni pidió que fuera la Legión a rescatar mis cachos. Ni compañeros, ni parientes. Ni siquiera se publicó la noticia. Mi situación, la que fuese, era propia del oficio y de la vida. Asunto de mi periódico y mío. Nadie me había obligado a ir allí.

Mucho ha cambiado el paisaje. Ahora, cuando a un reportero, turista o voluntario de algo se le hunde la canoa, lo secuestran, le arreglan los papeles o se lo zampan los cocodrilos, enseguida salen la familia, los amigos y los colegas en el telediario, asegurando que Fulano o Mengana no iban a eso y pidiendo que intervengan las autoridades de aquí y de allá –de sirios y troyanos, oí decir el otro día–. Eso tiene su puntito, la verdad. Nadie viaja a sitios raros para que lo hagan filetes o lo pongan cara a la Meca, pero allí es más fácil que salga tu número. Ahora y siempre. Si vas, sabes a dónde vas. Salvo que seas idiota. Pero en los últimos tiempos se olvida esa regla básica. Hemos adquirido un hábito peligroso: creer que el mundo es lo que dicen los folletos de viajes; que uno puede moverse seguro por él, que tiene derecho a ello, y que Gobiernos e instituciones deben garantizárselo, o resolver la peripecia cuando el coronel Tapioca se rompe los cuernos. Que suele ocurrir.

Esa irreal percepción del viaje, las emociones y la aventura, alcanza extremos ridículos. Si un turista se ahoga en el golfo de Tonkín porque el junco que alquiló por cinco dólares tenía carcoma, a la familia le falta tiempo para pedir responsabilidades a las autoridades de allí –imagínense cómo se agobian éstas– y exigir, de paso, que el Gobierno español mande una fragata de la Armada a rescatar el cadáver. Todo eso, claro, mientras en el mismo sitio se hunde, cada quince días, un ferry con mil quinientos chinos a bordo. Que busquen a mi Paco en la Amazonia, dicen los deudos. O que nos indemnicen los watusi. Lo mismo pasa con voluntarios, cooperantes y turistas solidarios o sin solidarizar, que a menudo circulan alegremente, pisando todos los charcos, por lugares donde la gente se frota los derechos humanos en la punta del cimbel y una vida vale menos que un paquete de Marlboro. Donde llamas presunto asesino a alguien y tapas la cara de un menor en una foto, y la gente que mata adúlteras a pedradas o frecuenta a prostitutas de doce años se rula de risa. Donde quien maneja el machete no es el indígena simpático que sale en el National Geographic, ni el pobrecillo de la patera, ni te reciben con bonitas danzas tribales. Donde lo que hay es hambre, fusiles AK-47 oxidados pero que disparan, y televisión por satélite que cría una enorme mala leche al mostrar el escaparate inalcanzable del estúpido Occidente. Atizando el rencor, justificadísimo, de quienes antes eran más ingenuos y ahora tienen la certeza desesperada de saberse lejos de todo esto.

Y claro. Cuando el pavo de la cámara de vídeo y la sonrisa bobalicona se deja caer por allí, a veces lo destripan, lo secuestran o le rompen el ojete. Lo normal de toda la vida, pero ahora con teléfono móvil e Internet. Y aquí la gente, indignada, dice qué falta de consideración y qué salvajes. Encima que mi Vanessa iba a ayudar, a conocer su cultura y a dejar divisas. Y sin comprender nada, invocando allí nuestro código occidental de absurdos derechos a la propiedad privada, la libertad y la vida, exigimos responsabilidades a Bin Laden y gestiones diplomáticas a Moratinos. Olvidando que el mundo es un lugar peligroso, lleno de hijos de puta casuales o deliberados. Donde, además, las guerras matan, los aviones se caen, los barcos se hunden, los volcanes revientan, los leones comen carne, y cada Titanic, por barato e insumergible que lo venda la agencia de viajes, tiene su iceberg particular esperando en la proa.

por Pablo Jordá

20 de janeiro de 2010

Arcade Fire, Radiohead, Deolinda e... Jimi Hendrix: os regressos de 2010





Discos novos continuam a ser anunciados. Saiba mais sobre os próximos lançamentos de Fleet Foxes, MGMT, Mão Morta, The National ou Limp Bizkit.
Janeiro ainda não chegou ao fim e a agenda de lançamentos para os próximos meses cresce de dia para dia.

A BLITZ deixa-o com as novidades sobre alguns dos discos mais aguardados do ano e pergunta-lhe:qual destes álbuns espera com mais ansiedade, e porquê ?

(Clique no nome dos artistas para saber mais sobre cada lançamento)

Jimi Hendrix
Disponível a 8 de Março, Valleys of Neptune é um disco com 12 gravações de estúdio completas, registadas por Jimi Hendrix num período "fundamental e conturbado" de quatro meses, no ano de 1969.

Posterior a Electric Ladyland (de 1968), Valleys of Neptune é apresentado, em comunicado de imprensa, pelas palavras da irmã de Jimi Hendrix, Janie: "O meu irmão Jimi sentia-se em casa quando estava no estúdio. Valleys of Neptune apresenta uma visão aprofundada da sua mestria durante o processo de gravação e demonstra o facto de ter sido um inovador, sem precedentes, deste mesmo processo, tal como um excelente guitarrista. O seu génio transparece em todas estas faixas valiosas".

Este lançamento de Jimi Hendrix será acompanhado, nos próximos meses, de edições de luxo em CD/DVD dos discos Are You Experienced? , Axis: Bold As Love ; Electric Ladyland e First Days of the New Rising Sun .

Interpol
O quarto álbum dos Interpol poderá marcar um regresso ao passado da banda de Nova Iorque, nomeadamente ao seu primeiro álbum, Turn On The Bright Lights . Assim o diz o baterista Sam Fogarino, deixando muitos fãs a salivar de expectativa.

Hot Chip
"Mais coeso e soul" do que o anterior Made In The Dark , One Life Stand , o quarto disco dos Hot Chip, chega já a 8 de Fevereiro.

Goldfrapp
Head First é o nome do novo disco dos ingleses Goldfrapp. Data de saída: 22 de Março.

LCD Soundsystem
É o primeiro disco desde o aclamado Sound of Silver e, segundo James Murphy, poderá ser o último dos LCD Soundsystem. As dúvidas podem começar a ser tiradas já em Março, mês previsto para a edição do álbum, ainda sem título.

MGMT
O "complicado segundo álbum" espera os MGMT na Primavera. Sobre Congratulations , os norte-americanos já avisaram que não será apresentado por qualquer single. Bom ou mau sinal?

The National
Em entrevista à Uncut, Aaron Dessner, um dos guitarristas dos National, revelou que o sucessor deBoxer chega em Maio. Ainda sem título, o quinto disco dos norte-americanos está a ser ultimado num estúdio que a banda construiu numa garagem e deverá ser "mais dinâmico" e "menos meditativo" que o anterior. "Vanderlyle", "Runaway" e "Bloodbuzz" são os títulos de algumas das novas canções.

Arcade Fire
O terceiro álbum dos canadianos mais estimados pelo mundo indie deve sair em Maio. Ainda sem título, o "irmão mais novo" de Neon Bible está a ser preparado pelo mesmo produtor, Markus Dravs, e deverá dar origem a uma digressão. Por enquanto, os Arcade Fire estão empenhados em angariar ajuda para o Haiti, país do qual Regine Chassagne, uma das caras da banda, é natural.

Rufus Wainwright
O cantor e compositor canadiano lança, este ano, All Days Are Nights: Songs For Lulu . Aparentemente inspirado na obra de Shakespeare, o sexto disco de estúdio de Rufus Wainwright, que este mês perdeu a mãe, a também cantora Kate McGarrigle, sai na Primavera.

Fleet Foxes
Uma das grandes revelações de 2008, os Fleet Foxes prometem lançar ainda em 2010 o seu segundo longa-duração. O próximo disco dos homens de Sun Giant deverá ser menos pop, avisou já a banda.

Radiohead
Em Janeiro, os Radiohead entraram em estúdio para começar a gravar o sucessor de In Rainbows(2007). Este ano, porém, Thom Yorke deverá também actuar a solo (ou com um "super-grupo") em festivais como os de Coachella, pelo que os planos concretos de edição dos Radiohead permanecem por esclarecer...

Grinderman
A "segunda" banda de Nick Cave continua a laborar. O novo disco dos Grinderman já está pronto e é, segundo Warren Ellis, "algo estranho e mais descarnado".

Deolinda
À BLITZ, Ana Bacalhau revelou que o sucessor de Canção Ao Lado já está no forno. As canções estão escritas e a banda sente ter ganho "músculo" e evitado o "auto-plágio", preparando-se para entrar em estúdio muito em breve.

Mão Morta
A banda de Braga festeja este ano 25 anos de carreira com um novo álbum de originais, o primeiro desde Nus , e o regresso a uma grande editora, no caso a Universal. O disco sai em Abril e ainda não tem título.

GNR
É o primeiro disco dos GNR desde Do Lado dos Cisnes , em 2002, e também o primeiro desde a estreia a solo de Rui Reininho, Companha das Índias , de 2008. Está a ser preparado no Porto e, segundo a banda, será "assumidamente pop".

Sérgio Godinho
O veterano escritor de canções português quer regressar aos álbuns em 2010. O sucessor de Ligação Directa , de 2006, ainda não tem título ou data de edição, mas poderá intersectar-se com a celebração de quatro décadas de carreira para Sérgio Godinho, cujo primeiro disco, Os Sobreviventes, data de 1971.

Linda Martini
Uma das bandas mais acarinhadas pelos leitores de www.blitz.pt , os portugueses Linda Martini encontram-se a trabalhar no segundo longa duração, que sucede a Olhos de Mongol e ao EP ao vivoIntervalo , da série Optimus Discos.

Pedro Abrunhosa
O primeiro disco de Pedro Abrunhosa sem os Bandemónio, ainda sem título, sai em Abril. Gravado com os Comité Caviar, o álbum sucede a Luz , de 2007.

Tiago Bettencourt
"Só Mais Uma Volta", o primeiro single, está prestes a mostrar a cara. Quanto ao álbum, o segundo a solo do ex-Toranja, ainda não tem título mas chega às lojas no primeiro semestre de 2010.

Limp Bizkit
Os "veteranos" do nu-metal estão de regresso com um novo álbum, de título Gold Cobra . Previsto para o início do ano, é o primeiro álbum em dez anos com o "line up" original da banda de Fred Durst.


Fonte: Blitz

Madrid-Málaga em alta velocidade mostra o que acontecerá em Portugal



No dia 24 de Dezembro de 2007, o comboio de Alta Velocidade Espanhol (AVE) chegou a Málaga, o que possibilitou a sua ligação a Madrid em 2 horas e 30 minutos, sendo o modo de transporte mais competitivo entre aquelas duas cidades. É interessante observar o que ocorreu, passados 2 anos e determinar, com rigor, a percentagem de tráfego que foi retirado ao avião.

Rui Rodrigues
Email: rrodrigues.5@netcabo.pt
Site: www.maquinistas.org

Em 2007, segundo a AENA - Aeropuertos Españoles y Navegación Aérea -, antes da chegada do AVE, o tráfego aéreo na rota Madrid-Málaga foi de 1 milhão e 554 mil passageiros. Em 2009, no segundo ano de existência do AVE, o tráfego aéreo caiu para 788 mil passageiros.

Em 2008, o AVE transportou 2 milhões de passageiros e, em 2009, o número foi de 1,94 milhões, tendo perdido 60 mil passageiros relativamente ao ano anterior (fonte Renfe). A taxa de ocupação média foi de 68% tendo sido utilizados, por dia, 12 comboios por sentido, que tiveram uma pontualidade de 97%. Outro dado interessante é verificar que 80% dos clientes do AVE viajaram em classe turística e os restantes 20% optaram pelas classes “Preferente” e “Club”.

Em dois anos, o AVE praticamente manteve o tráfego de passageiros e, na rota aérea Málaga-Madrid, esse valor caiu para metade.

Considerando a repartição de tráfego entre os dois modos de transporte, na rota Málaga-Madrid, em 2009, o avião ainda possuía uma quota de 29% e o AVE de 71%, o que parece ser semelhante ao que se verificou na via Madrid-Sevilha, isto é, a maioria dos passageiros preferiram o AVE. que passou a deter 85% do mercado e o avião só 15%. A transferência de passageiros do avião para o comboio foi aumentando ao longo dos anos, o que também deverá acontecer entre Málaga e Madrid.
O tráfego aéreo entre Sevilha e Madrid de 1999 e 2009 é o mesmo, ou seja, aquela que era a principal rota do aeroporto de Sevilha não só estagnou como deixou de contribuir para o crescimento de tráfego.

No corredor Lisboa-Madrid, quando a nova ligação ferroviária for uma realidade, a viagem será efectuada em 2 horas e 45 minutos, o que é semelhante ao tempo de ligação de 2 horas e 30 minutos do AVE Madrid-Málaga.

Os aeroportos de Málaga e Lisboa têm diferenças no tipo de tráfego, mas também apresentam algumas características análogas. O primeiro é uma base da Ryanair e o segundo uma base da TAP. Ambos servem cidades que estão situadas no limite da Península Ibérica mas, enquanto o primeiro está situado a Sul, o segundo está a Oeste desta zona da Europa.


SEMELHANÇAS ENTRE PORTELA E MÁLAGA

Ambas as cidades são terminais e, em Málaga, o tráfego é sobretudo turístico, como o de Lisboa, ligando-se semanalmente com 17 cidades espanholas e 60 capitais europeias e alguns destinos da América, Ásia e África. O destino mais importante, para Málaga e Lisboa, é a União Europeia (UE). Existem outras semelhanças entre Málaga e a Portela. Em 2007, o principal destino das partidas daquela cidade da Andaluzia era Madrid com um tráfego de 1,55 milhões de passageiros enquanto que, na Portela, o tráfego para a capital espanhola, no mesmo ano, atingiu 1 milhão, sendo certo que, em 2009, também era o principal destino do aeroporto de Lisboa, dada a taxa de crescimento nessa viagem.

O que já aconteceu em Sevilha e está a ocorrer em Málaga, obviamente também vai ocorrer em Lisboa: aquela que ainda é a principal rota da Portela, ou seja Lisboa-Madrid, vai ter uma forte redução e vai deixar de contribuir para o aumento de tráfego, o que diminuirá a taxa de crescimento na Portela.

O principal aeroporto de Barcelona tem visto o seu tráfego diminuir não só devido ao AVE e à crise económica mas, também, devido à existência de dois aeroportos secundários para as ‘Low-cost’, em Girona e Reus-Tarragona, que estão localizados junto à nova rede ferroviária de bitola europeia e à rede convencional. Brevemente existirá um terceiro aeroporto secundário na Catalunha.

A nova rede ferroviária de Alta Velocidade (AV) vai permitir uma maior concorrência entre aeroportos por aumentar substancialmente a sua área de influência. A futura linha Lisboa-Madrid de AV vai ter uma estação intermédia em Badajoz, cidade onde está a ser modernizado o aeroporto para receber as ‘Low-cost’ com baixas taxas aeroportuárias, uma vez que só vão ser ali investidos 12 milhões de Euros. Com a nova rede ferroviária, Badajoz ficará a cerca de 1 hora de Lisboa.

Tendo em conta que o projectado aeroporto de Alcochete está previsto ter um custo superior a 5 mil milhões de Euros, esse valor torna impossível a concorrência com as baixas taxas de Badajoz. A melhor opção para evitar tal situação e que poderia dar origem a um gigantesco “elefante branco” é continuar a rentabilizar a Portela que está a ser modernizada e, caso seja necessário, complementá-la com a base aérea do Montijo, que poderia receber as ‘Low-cost’.

O tráfego ferroviário do AV Lisboa-Madrid vai ser menor do que o de Madrid-Málaga pela simples razão de que estas cidades pertencem ao mesmo país. O que mais irá justificar a nova via entre Madrid e Lisboa será o transporte de mercadorias, em bitola europeia, pois vai permitir a ligação dos portos de Sines e Setúbal à UE. A nova rede ferroviária permitiria assim à Auto-Europa exportar os seus veículos terminados directamente e sem transbordos para a Europa.

Fonte: Público

Gainsbourg... Une Vie Heroïque!

O filme sobre a vida de um dos homens mais invejados de sempre...

19 de janeiro de 2010

The Ting Tings - Keep Your Head

De manhã, é mais ou menos isto que sinto no Metro de Barcelona...

Haití: "Estrategia del caos para una invasión"? ou a enésima teoria da conspiração?



por:
José Luis Vivas

ALAI AMLATINA, 18/01/2010.

El terremoto que arrasó Puerto Príncipe el 12 de enero pasado ofrece una pretexto inmejorable para justificar la enésima invasión y ocupación militar del Haití, ya ocupado desde 2004, pero ahora directamente por los principales promotores de esa ocupación, sin intermediarios. Motivos, políticos y estratégicos, no faltan. De paso, serviría para escarmentar al principal intermediario de la actual ocupación, Brasil, que a pesar de los buenos servicios prestados en Haití no se ha portado de la misma forma en relación al reciente golpe de Estado en Honduras.
Lo que hemos observado hasta el momento parece corroborar la tesis de que se está preparando una nueva ocupación militar, no humanitaria. Varios elementos lo indican como: fricciones con los actuales ocupantes, la Misión de Paz (MINUSTAH) de la ONU, especialmente con Brasil, que tiene el mando militar; entorpecimiento de la ayuda humanitaria y fomento de una situación de caos; y una campaña mediática consistente en la creación de una imagen de caos y violencia, que justificaría una ocupación ante la opinión pública. Como veremos abajo, todos esos componentes parecen estar presentes.

* Versión completa de este artículo en http://www.alainet.org/active/35579

18 de janeiro de 2010

Haiti: a reconstrução necessária

João Gomes Cravinho recorda terramoto de Lisboa de 1755 para defender reformas significativas

Benfica: Verbas do Jogo contra a Pobreza vão seguir para o Haiti



O anúncio foi feito pelo presidente Luís Filipe Vieira no Estádio da Luz. O Jogo contra a Pobreza, marcado para o próximo dia 25, vai ter objectivos diferentes do que inicialmente estava previsto. Com a tragédia que se abateu sobre o Haiti, os responsáveis encarnados decidiram contactar o Programa das Nações Unidades para o Desenvolvimento (PNUD), no sentido de canalizar as receitas do encontro para a ajuda na reconstrução do Haiti.

Além desta mudança de planos, foi ainda anunciada a abertura de um conta para angariar fundos para esta causa. Quem quiser contribuir pode dirigir-se ao site do Benfica ou transferir directamente o seu donativo para o NIB 0076 0000 4519 7177 1010 6 (Finibanco).

Vieira fez-se acompanhar de Carlos Móia - presidente da Fundação Benfica - e ainda dos capitães da equipa principal, Nuno Gomes e Luisão. O avançado português salientou a importância de um encontro como este e confirmou que o plantel também vai contribuir para esta causa.

O Jogo contra a Pobreza não vai contar com Ronaldo, um dos impulsionadores desta iniciativa, por compromissos com o Corinthians. No entanto, vai ter um representante à altura no Estádio da Luz: o também brasileiro Kaká. Zinedine Zidane é outro dos nomes confirmados para o desafio da próxima segunda-feira.


I-online: http://www.ionline.pt/conteudo/42447-benfica-verbas-do-jogo-contra-pobreza-vao-seguir-o-haiti



Todos os donativos serão entregues ao Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) com vista a operação de auxílio e recuperação do Haiti.

Os donativos serão feitos através da conta SL Benfica e Fundação Benfica:
DONATIVOS HAITI
CONTA FUNDAÇÃO BENFICA - PNUD
NIB: 007600004519717710106
Conta Finibanco: 45197177 10 001

All contributions will be given to the United Nations Development Programme (UNDP) to support Haiti relief and recovery efforts

All donations to the below account will be made through SLBenfica and Fundação Benfica:
HAITI DONATIONS
FUNDAÇÃO BENFICA – PNUD ACCOUNT
BIN (Bank Identification Number): 007600004519717710106.
Finibanco Account: 45197177 10 001

Fundação Benfica: http://www.slbenfica.pt/Clube/EmpresasSLB/FundacaoBenfica/hp.asp

18 de Janeiro de 1934


Neste dia, um convite: Casa-Museu 18 de Janeiro de 1934.

Não esqueceremos!

Marinha Grande TV



Nesta época de explosão das televisões em plataformas de tipo on-line e/ou digital, de cariz local ou especializado... não podia faltar uma televisão da minha terra. Sim, a Marinha Grande expande-se para o Mundo através da MGR TV...

Sobre os burros dos homens... ou os homens dos burros...


Uma imagem...


Um vídeo...


'Invictus'

O livro "El factor Humano" deixou-me sem poder respirar durante 3 dias. Dia 29, já vou poder confirmar se a versão em filme, com Morgan Freeman no papel da sua vida, é tão inspirador como o livro e, so no final, saio com a mesma sensação: ainda há esperança para a Humanidade!

Museo Guggenheim Bilbao: Frank Lloyd Wright

El último viernes he podido ir a ver esta exposición sobre el trabajo del genial arquitecto Frank Lloyd Wright. Su pensamiento es todavía bastante actual, por sus nociones de construcción desde dentro hacia fuera y por el intento de integración entre la arquitectura y el espacio, entre el hombre y la Naturaleza, en una perspectiva siempre funcional y a la vez armoniosa. Podeís verla en Bilbao hasta el 14 de Febrero.

Frank Lloyd Wright es una exposición sobre la relevancia del pensamiento espacial de Wright y el gran impacto que éste ha tenido en la organización de la vida moderna. Los más de ochenta proyectos presentes en la muestra abarcan desde encargos privados de casas hasta oficinas, edificios públicos, gubernamentales y religiosos, así como auditorios, teatros y estructuras urbanas nunca ejecutadas que pone de manifiesto una arquitectura que incita a la interacción social y a la interacción con el mundo natural.

La muestra abarca objetos en diversos soportes, incluyendo más de 200 dibujos originales; maquetas históricas, y otras recientes diseñadas especialmente para la ocasión; fotografías de archivo y contemporáneas; así como libros, revistas y correspondencia relacionados con la exposición. Además, se han creado vídeos y animaciones digitales que facilitarán en gran medida la interpretación de los diseños de Wright. Esta singular presentación de los proyectos de Frank Lloyd Wright pretende inspirar a los visitantes para que entiendan la arquitectura como una extensión vital de la vida cotidiana.

Frank Lloyd Wright esta co-organizada por la Solomon R. Guggenheim Foundation y la Frank Lloyd Wright Foundation, que gestiona y es dueña de los Frank Lloyd Wright Archives, fuente de la que provienen la gran mayoría de los préstamos de esta exposición. Comisarios: Thomas Krens, Comisario y Asesor de Asuntos Internacionales, Solomon R. Guggenheim Foundation; David van der Leer, Comisario Adjunto, Arquitectura y Diseño, Solomon R. Guggenheim Museum; María Nicanor, Comisaria Adjunta, Solomon R. Guggenheim Museum; Bruce Brooks Pfeiffer, Director de los Frank Lloyd Wright Archives; Margo Stipe, Comisaria y Registradora de las Colecciones de los Frank Lloyd Wright Archives; Oskar Muñoz, Director Adjunto de los Frank Lloyd Wright Archives; Mina Marefat, asesora curatorial para el apartado de la exposición dedicado al proyecto de Bagdad.


Fuente: Guggenheim Bilbao

Carlos Taibo: En defensa del decrecimiento. Sobre capitalismo, crisis y barbarie



«La crisis en curso apenas ha suscitado otras reflexiones que las que se interesan por su dimensión financiera. De resultas, han quedado en segundo plano fenómenos tan delicados como el cambio climático, el encarecimiento inevitable de los precios de las materias primas energéticas que empleamos, la sobrepoblación y la ampliación de la huella ecológica. En este libro se intenta rescatar esas otras crisis, y hacerlo con la voluntad expresa de identificar dos horizontes de corte muy diferente. Si el primero lo aporta un proyecto específico, el del decrecimiento, que cada vez es más urgente sea asumido como propio por los movimientos de resistencia y emancipación en el Norte opulento, el segundo lo proporciona un grave riesgo de que, en un escenario tan delicado como el del presente, gane terreno un darwinismo social militarizado que recuerde poderosamente a lo que los nazis alemanes hicieron ochenta años atrás. En la trastienda se aprecia, de cualquier modo, la necesidad imperiosa de contestar el capitalismo en su doble dimensión de explotación e injusticia, por un lado, y de agresiones contra el medio natural, por el otro.»

14 de janeiro de 2010

A verdadeira catástrofe...

Nestes momentos, só se pode apelar a que toda a ajuda que vai chegando permita salvar o maior número de vidas e que se possa reconstruir este país, um dos mais pobres do mundo.

7 de janeiro de 2010

Sete fenómenos da natureza que pouca gente conhece...


Os fenómenos naturais são absolutamente impressionantes. Alguns são tão raros, que nem a ciência, com todo avanço tecnológico, é capaz de identificar.




Até hoje ninguém conseguiu explicar por que, misteriosamente, pedras de centenas de quilos deslocam-se do seu ponto de origem pelo deserto de Death Valley. Alguns pesquisadores atribuem tal fenómeno aos fortes ventos e superfície gelada, mas esta teoria não explica, no entanto, por que as pedras se movem lado a lado, em ritmo e direções diferentes. Além disso, cálculos físicos não apoiam plenamente esta teoria.
..
Colunas de Basalto
Este fenómeno ocorre com o arrefecimento de um fluxo de lava espessa, formando uma malha geométrica com notável regularidade. Um dos famosos exemplos é o Giant's Causeway, na costa da Irlanda (fotos), embora a maior e mais conhecida seja Devil's Tower em Wyoming.



Os buracos azuis são gigantes elevações subaquáticas, que levam este nome pela tonalidade de azul que apresentam quando vistos do alto. Normalmente possuem centenas de metros de profundidade e tem ambiente desfavorável para a vida marinha, já que a circulação de água é fraca. Curiosamente, em alguns buracos foram encontrados restos fósseis preservados nas suas profundezas.
...

Maré vermelha
As Marés Vermelhas são formadas pelo súbito aumento do fluxo de algas de cor única, que podem converter uma parte da água em uma cor vermelha sangue. Embora fenômenos desta natureza sejam relativamente inofensivos, alguns podem ser mortais, causando a morte de peixes, aves e mamíferos marinhos. Em alguns casos, até mesmo os seres humanos podem ser afectados, embora a exposição humana não seja conhecida por ser fatal.

.
..

Enquanto muitos acreditem que estes círculos perfeitos sejam obra de alguma teoria da conspiração, os cientistas geralmente aceitam que eles são formados por turbilhões de água que giram num considerável pedaço de gelo, num movimento circular. Como resultado desta rotação, outros pedaços de gelo e objetos gerados pelo desgaste uniforme nas bordas do gelo vão lentamente formando um círculo.
.
.
.
Nuvens Mammatus
Aparentemente assustadoras, as
nuvens Mammatus também são mensageiras de tempestades e outros eventos meteorológicos extremos. Normalmente compostas de gelo, elas podem estender-se por centenas de quilómetros em vários sentidos e formações, permanecendo visíveis e estáticas entre 10 minutos e 1 hora. Embora pareçam portadoras de más notícias, elas são apenas mensageiras, aparecendo antes e/ou depois de uma grande mudança meteorológica..
.


Este raro fenómeno só ocorre quando há a participação do sol e das nuvens. Cristais dentro das nuvens refratam a luz em várias ondas do espectro, fazendo surgir cores entre as nuvens. Devido a raridade com que este evento acontece, existem poucas fotos.

4 de janeiro de 2010

A Madeira não tem pobres! Ok... já podem parar de rir...

É proibido falar de pobreza na Madeira

El Factor Humano, de John Carlin




"El Factor Humano", de John Carlin. Não, não é apenas mais um livro sobre Nelson Mandela. Não, também não nos antecipa o que vai ser a África do Sul do actual Presidente, Jacob Gedleyihlekisa Zuma... Apenas nos dá uma pincelada sobre esse milagre que ocorreu com o fim aparente do apartheid, sem que a África do Sul caís...se num banho de sangue, como seria suposto acontecer por todas as razões... Esse milagre aconteceu pela acção de vários homens e mulheres que assim o quiseram. Mas, aconteceu sobretudo porque havia um deles a encabeçar o processo: Nelson Mandela.
Sem ele, nada do que (não) aconteceu seria possível. Também aconteceu, porque brancos e negros descobriram que afinal tinham coisas que podiam partilhar. Uma foi o rugby em 1995. Outra será o futebol em 2010!
Assim será também o filme que irá estrear este ano, com a batuta de Clint Eastwood e as interpretações de Morgan Freeman e Matt Damon.

You just took a shit with your clothes on...

"The thick of it "... provavelmente a melhor série da Britcom... depois de The Office!

Portugal será agora na Europa o que conseguir ser fora dela - Política - PUBLICO.PT

Luís Amado: Portugal será agora na Europa o que conseguir ser fora dela