27 de outubro de 2011

Peces-Barba ofende catalães e... portugueses






Peces-Barba i la independència de Catalunya

Gregorio Peces-Barba ha aixecat una forta polèmica al Congrés que els advocats espanyols celebren a Cadis. Ha estat en un context de reflexió sobre el sobiranisme a Euskadi i a Catalunya quan ha suggerit que a Espanya li podia haver anat millor si hagués optat per impedir la independència de Portugal en comptes de la de Catalunya en la guerra dels Segadors del 1640. Els advocats catalans han abandonat la sala en senyal de protesta.


La gran farsa de Nicolas Sarkozy




'La conquista', polémico 'biopic' sobre el ascenso del presidente francés, 

revisa la salvaje lucha de poder entre las facciones de la derecha. 

El actor Denis Podalydès analiza las claves de la cinta






Los amantes de los documentales de animales están acostumbrados a asistir a feroces combates entre leones y hienas por el título de rey de la selva. Espectáculo con inevitables connotaciones metafóricas cuando se acerca un nuevo proceso electoral. Lo que ninguna película había mostrado hasta ahora es a hienas de la misma manada y aún en activo peleándose a muerte por convertirse en el macho alfa dominante de todo un país. Bienvenidos a la jungla de la alta política.
La conquista, cinta de Xavier Durringer que se estrenó ayer a concurso en la Seminci de Valladolid tras pasar por Cannes, radiografía el feroz ascenso al liderazgo de la República francesa de Nicolas Sarkozy (interpretado por Denis Podalydès), en un insólito retrato cinematográfico de la carrera de un presidente que todavía está en el cargo tras su triunfo electoral en mayo de 2007.
"Tiene algo en común con los actores: la práctica de mentir"
El filme, que llegará a nuestros cines el próximo abril, retrata la lucha previa a esa fecha entre tres depredadores: Nicolas Sarkozy (por entonces ministro de Interior, ministro de Economía y líder de la UPM), Jacques Chirac (presidente de la República) y Dominique de Villepin (ministro de Asuntos Exteriores, ministro de Interior y primer ministro). Enemigos íntimos con al menos tres cosas en común: unas notables dotes para el teatro político, el cinismo y la puñalada por la espalda al compañero de filas. Todo ello, por supuesto, por el bien de los franceses y en favor del interés general...
Una guerra despiadada por alcanzar el poder disfrazada de pantomima para no herir sensibilidades democráticas. Tragicomedia con un alto coste personal para el ganador: Nicolas Sarkozy rompió con Cecilia, esposa y principal consejera política, durante el turbulento proceso que le llevó al palacio del Elíseo.
La conquista está repleta de escenas donde los tres líderes de la derecha francesa muestran tanto su buena sintonía política como su pericia a la hora de decir una cosa en público y hacer exactamente la contraria. Vemos a Chirac observando a Sarkozy desde la ventana de un palacete: desenfunda un imaginario fusil con mira telescópica, apunta a Sarkozy, dispara y se parte de risa... Y eso que le acababa de nombrar ministro.
"Las mujeres de su vida han transformado su destino"
También vemos a Sarzoky, retratado como un político impulsivo e hiperactivo que se califica así mismo de "conejito Duracel", bramando a la salida de un consejo de ministros tras ser implicado por alguien del partido en el caso Clearstream,una trama de listas bancarias falsificadas para desacreditar a políticos. "Algún día encontraré al cabrón que ha montado esto y le colgaré", grita Sarkozy a Chirac delante de las narices de Villepin, autor del montaje según casi todo el mundo.
En su intento de frenar la fulgurante ascensión de Sarzoky hacia la presidencia, Chirac se alía con Villepin, retratado como un hombre vanidoso engreído y obsesionado con "destruir al enano". Lo que no impide que Chirac atice a Villepin cada vez que tiene oportunidad. "¿Villepin de presidente?Sería como poner a Nerón. Prendería fuego al país", dice a su mujer un Chirac interpretado con brillantez cómica por el actor Bernard Le Coq, que dibuja un animal político sonriente, burlón y de maneras suaves, rey de las intrigas palaciegas tras cinco décadas apoltronado en diferentes altos cargos.
Pero quizás la escena que mejor ejemplifica esta visión de la política como representación teatral, donde las cosas no son nunca lo que parecen, es aquella en la que Sarkozy, a la caza del voto obrero que podía estar saltando de los socialistas a la extrema derecha, visita una fábrica y se pone a charlar con un obrero criticón haciendo gala de una gran mano izquierda. Hasta que se retiran las cámaras de televisión. "¿Quién era ese imbécil? ¿Por qué le habéis puesto tan cerca?", espeta colérico a sus colaboradores mientras se dirigen a la salida de la fábrica.
"La película ve la política como un teatro, incluso como un circo"
"Esta película es una representación de la realidad. Por tanto era importante mostrar a Sarkozy ensayando delante de un teatro vacío antes de enfrentarse a la audiencia. Cuando alardeó de su fatiga y su tristeza delante de los periodistas, no estaba haciendo nada más que una actuación teatral cuyo objetivo era que los franceses creyeran que sólo era un tipo normal", ha contado el director Xavier Durringer, en alusión a cómo Sarkozy logró superar la crisis de su separación fabricándose una imagen de hombre del pueblo con debilidades sentimentales.
"Es político y actor. Y se jacta de ello. Por eso le gusta tanto rodearse de actores y cómicos, con los que tiene algo en común: la práctica de mentir, de hacer creer algo que no es cierto", cuenta aPúblico Denis Podalydès, que pasó ayer por la Seminci.

Patata caliente

Los creadores del filme, que se inicia con la advertencia de que se trata de una cinta de ficción basada en hechos reales, recurrieron a una gran labor de documentación para cubrirse las espaldas. Pese a que no fue fácil conseguir financiación, La conquista llegó en mayo a los cines franceses con menos intromisiones políticas de las previstas, quizás en parte debido a algo que podríamos denominar la paradoja Sarkozy: el hombre que había cimentado su triunfo en una exposición total a los medios quizás no era el más indicado para quejarse de que llevaran su vida al cine.
"El Elíseo debió pensar que una interferencia política directa hubiera sido un ataque a la libertad de expresión de enormes consecuencias. También creo que Sarkozy es el primer presidente cuya relación con los medios se sale de lo común. Es uno de los responsables de que nos hayamos acostumbrado a que los medios escruten cada aspecto de la vida de un presidente. Hubiera sido más difícil hacer esta cinta sobre sus predecesores", ha dicho el productor Eric Altmayer.
"Es el político que cambió para siempre la relación entre la prensa y los políticos. Eligió jugar la carta de la transparencia. Por primera vez en la historia de la vida política francesa, un presidente aparecía luciendo gafas de sol en revistas de papel cuché que cubrían sus vacaciones y ¡sus líos amorosos con una modelo!", ha explicado Durringer.

Mujeres al mando

"Las mujeres de su vida han transformado completamente su destino. Carla Bruni le hizo leer a Proust y ver películas de Bresson y determinó su política cultural. Cecilia, por su parte, construyó su figura para llegar a presidente. La personalidad de Sarkozy sólo existe en la mirada de los que le aman", explica Podalydès.
"O vuelves con ella o te casas con otra. No puedes ir solo a las presidenciales. Hay que recuperar la iniciativa", le dice un colaborador a Nicolas Sarkozy tras la fuga de Cecilia con el publicista Richard Attlias. Recuperar la iniciativa significa que Sarkozy tiene que ponerse a perseguir mujeres como un loco hasta que encuentre otra aspirante a primera dama. Finalmente llega a un acuerdo in extremis con Cecilia para que abandone a su amante temporalmente y le acompañe en la recta final de la campaña. La sonrisa helada de Cecilia durante los triunfales mítines de su marido es la consumación de la gran pantomima, de la política profesional como juego de las apariencias.
"Mi Francia es la de aquellos que han dejado de creer en la política porque los políticos les han mentido", exclama Sarkozy en La conquista, en uno de los discursos claves de su campaña. Y lo dice tras haberse pasado buena parte de la película mintiendo y pisando cabezas para alcanzar el poder. Pero nos equivocaríamos si pensáramos que La conquista sólo afecta a Sarkozy: también se puede interpretar como una demolición de la clase política francesa. "La película ve la política como un teatro, incluso como un circo. El poder es eso: un gran teatro de sombras detrás del queno hay prácticamente nada. El poder no tiene lugar ahí, sino sólo las apariencias del poder. Pero en el mundo mediático las apariencias del poder bastan", zanja Podalydès.

Trabalhar até aos 67...



MERDALIFE



25 de outubro de 2011

Curso Rápido de Gramática






- Filho da puta é complemento direto, quando a frase for: ''Conheci um político filho da puta". 

- Se a frase for: "O político é um filho da puta",  é predicativo do sujeito

- Agora, se a frase for: "Esse filho da puta é um político", é sujeito

- Porém, se alguém aponta uma arma para a testa do político e diz: "Agora nega o buraco, filho da puta!" -  é vocativo

- Finalmente, se a frase for: "O Presidente da Região,  aquele filho da puta, escondeu a dívida." , é modificador apositivo do nome

Que língua a nossa, não?! 

Agora vem o mais importante para a aprendizagem:

Se estiver escrito: "Está na presidência deste 2005.",  o filho da puta é sujeito oculto....

24 de outubro de 2011

Pois, espero que a SS espanhola tenha fundo por mais alguns anos. Em 2040, terei 61 anos...

Segurança Social sem fundos para pagar pensões em 2040

55 cooperantes españoles secuestrados en los últimos 15 años

Aquí.

A arte xávega

A zona litoral do Concelho da Marinha Grande

Tradução do discurso de Passos Coelho


Fechem-se em casa.
Se tiverem a sorte de ter uma casa ou de conseguir pagar a renda de uma casa que nunca vai ser vossa.
Não se mexam para não gastarem energias que podem vir a precisar depois para trabalhar. Quanto mais se mexerem mais fome terão e sede. Evitem comer e beber, principalmente beber, porque vamos aumentar os impostos até sobre as bebedeiras. Nunca vão comer a restaurantes, nunca saiam para se divertir, nunca mas nunca vão de férias.
Saiam de casa apenas e só para ir trabalhar (de preferência vão a pé), sejam produtivos apesar de completamente desmotivados, esforcem-se por agradar aos patrões para não serem despedidos, ainda que vos peçam coisas que nada têm a ver com as vossas funções, ainda que vos maltratem, ainda que vos obriguem a trabalhar horas extra sem receber nada por isso, ainda que sejam explorados e estejam a recibos verdes (com patrão), ainda que sejam licenciados e estejam a receber o mesmo que um trabalhador sem formação, ainda que vos batam com um pau.
Aceitem tudo para não serem despedidos porque se vocês não quiserem há mais 100 ou 200 escravos prontos para fazerem o mesmo que vocês ou ainda mais por menos ordenado.
E os subsídios de desemprego... já se sabe, vão ser menores e por menos tempo... ninguém quer ir para o desemprego só porque não aceitou limpar os sapatos ao patrão com a língua, pois não? Portem-se com juízo, sejam cordeirinhos, aceitem tudo.
Não comprem música, arte, não vão a museus, não visitem exposições, não comprem livros, não vão passear pelo campo: tudo isso são gastos desnecessários, ninguém morre por não ter acesso à cultura.
Não comprem prendas de Natal, nem de aniversário, nem de nada. Toda a agente vai perceber porque eles próprios também não têm dinheiro para as comprar.
Não mimem os vossos filhos com um doce sequer, porque depois vão ter de ir ao dentista com eles e isso, já se sabe, vai-vos ficar caro.
Aliás, estamos todos proibidos de adoecer, de engravidar, de partir uma perna ou espirrar sequer. O Estado não tem orçamento para baixas médicas, subsídios de maternidade e ainda suportar as despesas de saúde das pessoas que decidiram que tinham de nascer em Portugal.
Que azar termos nascido em Portugal, daqui para a frente não devia de nascer mais ninguém em Portugal!
Ouviram casais jovens que pensam em ter filhos? Esqueçam isso, só vos vão dar mais despesas e preocupações... e se são daqueles que fumam (mais) por terem preocupações, esqueçam isso também: o imposto sobre o tabaco (que dá lucro ao Estado, mesmo depois de pagar todas as despesas com a saúde dos fumadores) também vai aumentar e quando virem o preço vão perceber porque é nos maços está a avisar que "fumar pode aumentar o risco de ataques cardíacos".
Finalmente se já forem velhinhos, se trabalharam toda a vida para sustentar este ser virtual e egocêntrico que se chama Estado, que tudo vos pede e nada vos dá, se a única alegria que têm na vida é ir nas excursões do turismo sénior (esqueçam, esqueçam o turismo sénior...) ou dar uma notita aos vossos netos no Natal para ver um sorriso a nascer de quem nasceu de vós, dêm graças ao Alzeimer porque só ele vos pode ajudar a esquecer a merda de país em que "escolhemos" nascer.
Até sempre.

23 de outubro de 2011

Loja erótica online... para não ser só posts sem interesse!

égoïste: sexo para elas

Menos chulo...

Ministro da Administração Interna renuncia ao subsídio de alojamento

La silenciosa conquista de China




Sinopsis
Basada en su creciente poderío económico, su particular modelo autoritario y el músculo de 1.300 millones de personas, ¿cómo está China convirtiéndose en la potencia hegemónica del siglo XXI? ¿Cómo encaja el gigante asiático en el nuevo orden mundial que se fraguó tras la crisis de 2008? ¿Qué tensiones provocará su ascensión? ¿Será el mundo un lugar mejor donde vivir bajo los mandatos de una China más poderosa? Estas son algunas de las preguntas a las que responde este libro en base a una investigación única en su género, realizada por dos periodistas españoles a lo largo y ancho de 25 países del mundo en desarrollo, que permite descifrar las claves y entresijos de la actual expansión silenciosa de China por el planeta, incluidas sus consecuencias socio-económicas, medioambientales y geopolíticas. Desde las minas de cobre de la República Democrática del Congo y las explotaciones de gas natural del desierto de Turkmenistán, hasta el impacto medioambiental en los bosques de Siberia o los grandes proyectos chinos de infraestructuras en la Amazonía ecuatoriana o el Nilo, los autores describen a través de historias humanas y hechos los movimientos tectónicos de hoy para entender lo que acontecerá en el futuro. ¿Cómo extiende sus tentáculos el gigante para garantizar su suministro de petróleo a largo plazo? ¿Con qué estrategias desbanca Pekín a su competencia occidental? ¿Cómo encaja África la avalancha de emigrantes chinos? ¿Qué impacto tiene a nivel local la nueva Ruta de la Seda de los productos Made in China? ¿Qué secretos esconde la estrecha relación de Pekín con algunas de las más crueles dictaduras del planeta? Poniendo al servicio de esta investigación un amplio conocimiento previo de China, los autores llevarán al lector a lo más recóndito del mundo chino gracias a los más de 220.000 kilómetros recorridos y 500 entrevistas realizadas en lugares tan dispares como la Venezuela de Chávez, el Irán de los ayatolás o el Sudán que acaba de escindirse en dos. Una obra a medio camino entre el mejor relato de viajes y el periodismo de investigación más riguroso para seguir la pista a un despliegue de tentáculos que está cambiando el mundo.
Biografía del autor
Juan Pablo Cardenal (Barcelona, 1968) y Heriberto Ararújo (Barcelona, 1983) son corresponsales españoles en China del diario El Economista y la agencia de noticias Notimex, respectivamente. Entre los dos acumulan más de 12 años de experiencia en Asia, donde han sido testigos de excepción del resurgir del gigante asiático y la influencia de éste en la escena internacional. En la actualidad residen en Hong Kong y Pekín, respectivamente. Desde 2009 y durante dos años recorrieron las cuatro esquinas del planeta para entender y describir cómo China está cambiando el mundo. Sus artículos y reportajes sobre esta investigación han sido publicados por algunas de las mejores cabeceras periodísticas de España y el extranjero.

Expectante com este "Carnage", de Roman Polanski

Terrivelmente cercano...




Secuestrados dos cooperantes españoles y una italiana en los campamentos de refugiados saharauis en Rabuni (Argelia)


Exige a Canadá que detenga y procese a George W. Bush



22 de outubro de 2011

Chulo!

Ministro recebe subsídio apesar de passar a semana em casa própria na capital

Subasta de asientos en el Camp Nou



Estimados Amigos

Tengo 2 asientos en el Estadio del FC.Barcelona que estoy vendiendo.

La razón es que mi mujer ya no me dejará asistir a los juegos porque la persona que se sienta junto a mí no es de su agrado. 


Espero que la suya no tenga problemas con esto…
 

Anexo fotografía con la vista desde nuestros asientos y de la persona que ocupa el asiento da vecina. 







Las venderé al primero QUE DEPOSITE 20.000 EUROS EN MI CUENTA.
(Además cuando meten gol, empieza a saltar, a abrazar y a besar)

Um grande documento para compreender os 43 anos do terrorismo da ETA (Programa Salvados)


Ver programa "Salvados" do canal espanhol La Sexta, aqui.

Uma raiva a nascer-me nos dentes



Sr. primeiro-ministro, depois das medidas que anunciou sinto uma força a crescer-me nos dedos e uma raiva a nascer-me nos dentes, como diria o Sérgio Godinho. V.Exa. dirá que está a fazer o que é preciso. Eu direi que V.Exa. faz o que disse que não faria, faz mais do que deveria e faz sempre contra os mesmos. V.Exa. disse que era um disparate a ideia de cativar o subsídio de Natal. Quando o fez por metade disse que iria vigorar apenas em 2011. Agora cativa a 100% os subsídios de férias e de Natal, como o fará até 2013. Lançou o imposto de solidariedade. Nada disto está no acordo com a troika. A lista de malfeitorias contra os trabalhadores por conta de outrem é extensa, mas V.Exa. diz que as medidas são suas, mas o défice não. É verdade que o défice não é seu, embora já leve quatro meses de manifesta dificuldade em o controlar. Mas as medidas são suas e do seu ministro das Finanças, um holograma do sr. Otmar Issing, que o incita a lançar uma terrível punição sobre este povo ignaro e gastador, obrigando-o a sorver até à última gota a cicuta que o há-de conduzir à redenção.

Não há alternativa? Há sempre alternativa mesmo com uma pistola encostada à cabeça. E o que eu esperava do meu primeiro-ministro é que ele estivesse, de forma incondicional, ao lado do povo que o elegeu e não dos credores que nos querem extrair até à última gota de sangue. O que eu esperava do meu primeiro-ministro é que ele estivesse a lutar ferozmente nas instâncias internacionais para minimizar os sacrifícios que teremos inevitavelmente de suportar. O que eu esperava do meu primeiro-ministro é que ele explicasse aos Césares que no conforto dos seus gabinetes decretam o sacrifício de povos centenários que Portugal cumprirá integralmente os seus compromissos — mas que precisa de mais tempo, melhores condições e mais algum dinheiro.

Mas V.Exa. e o seu ministro das Finanças comportam-se como diligentes diretores-gerais da troika; não têm a menor noção de como estão a destruir a delicada teia de relações que sustenta a nossa coesão social; não se preocupam com a emigração de milhares de quadros e estudantes altamente qualificados; e acreditam cegamente que a receita que tão mal está a provar na Grécia terá excelentes resultados por aqui. Não terá. Milhares de pessoas serão lançadas no desemprego e no desespero, o consumo recuará aos anos 70, o rendimento cairá 40%, o investimento vai evaporar-se e dentro de dois anos dir-nos-ão que não atingimos os resultados porque não aplicámos a receita na íntegra.

Senhor primeiro-ministro, talvez ainda possa arrepiar caminho. Até lá, sinto uma força a crescer-me nos dedos e uma raiva a nascer-me nos dentes.

Nicolau Santos, Expresso, 15/10/2011

O SUBSÍDIO DE NATAL OU 13º MÊS NUNCA Existiu...



Os trabalhadores ingleses recebem os ordenados semanalmente! Mas há
sempre uma razão para as coisas e os trabalhadores ingleses, membros
de uma sociedade
 MAIS crítica do que a nossa, não fazem
nada por acaso!

Lembrando que o 13º MÊS em Portugal foi criado logo depois do 25 de Abril de
1974 no governo de VASCO GONÇALVES e que nenhum governo depois do
dele mexeu nisso, "fala-se agora que o governo pode vir a não pagar
aos funcionários públicos o 13º mês ou subsídio de natal.Se o fizerem,
é uma roubalheira sobre outra roubalheira.

O 13º mês é uma das mais escandalosas de todas as mentiras dos donos
do poder, quer se intitulem "capitalistas" ou "socialistas", e é
justamente aquela que os trabalhadores mais acreditam.

Eis aqui uma modesta demonstração aritmética de como foi fácil enganar
os trabalhadores.

Suponhamos que você ganha €700,00 por mês. Multiplicando-se esse
salário por 12 meses, você recebe um total de €8.400,00 por um ano de
doze meses.
€700,00 X 12 = € 8.400,00

Em Dezembro, o generoso governo manda então pagar-lhe o conhecido 13º Mês

€ 8.400,00 (Salário anual)
+ €700,00 (13º salário) =
--------------------------------------------------------
€ 9.100,00 (Salário anual + o 13ºMês)



O trabalhador vai para casa todo feliz com o "governo amigo dos
trabalhadores" que mandou o patrão pagar o 13º.

Agora veja bem o que acontece quando o trabalhador se predispõe a
fazer uma simples conta que aprendeu no Ensino Básico:

Se o trabalhador recebe €700,00 mês e o mês tem quatro semanas,
significa que ganha por semana € 175,00.

€700,00 (salário mensal) e 4 (semanas que tem o mês) = € 175,00 ( de
salário semanal)

O ano tem 52 semanas. Se multiplicarmos

€ 175,00 (Salário semanal)
X 52 (Número de semanas anuais)
-------------------
€ 9.100,00.

O resultado acima é o mesmo valor do Salário anual + o 13º salário .

Surpresa, surpresa? Onde está, portanto, o 13º Salário?

A explicação é simples, embora os nossos conhecidos líderes nunca se
tenham dado conta desse fato simples:

A resposta é que o governo, que faz as leis, lhe rouba uma parte do
salário durante todo o ano, pela simples razão de que há meses com 30
dias, outros com 31 e também meses com quatro ou cinco semanas (ainda
assim, apesar de cinco semanas o governo só manda o patrão pagar
quatro semanas
o salário é o mesmo tenha o mês 30 ou 31 dias, quatro
ou cinco semanas.

No final do ano o generoso governo presenteia o trabalhador com um 13º
salário, cujo dinheiro saiu do próprio trabalhador.

Se o governo retirar o 13º salário ou subsídio de natal dos
trabalhadores da função pública, o roubo é duplo.




Como palavra final para os trabalhadores inteligentes:

Não existe nenhum 13º salário. O governo apenas devolve e manda o
patrão devolver o que sorrateiramente foi tirado do salário anual.


Conclusão:

Os Trabalhadores recebem o que já trabalharam e não um adicional.

Abolição de Feriados


O primeiro feriado a ser anulado deve ser o 25 de Dezembro, pois sem o respetivo subsídio não faz sentido comemorar tristezas!

Depois o 1 de Maio, uma vez que estamos praticamente com a maioria dos trabalhadores no desemprego!

O 25 de Abril deve ser só considerado tolerância de ponto entre as 00H00 e as 6H00 da manhã!

O 10 de Junho deve ser eliminado, uma vez que quem manda nisto é a Troika!

Devemos manter-nos inflexíveis na defesa do 1 de Novembro, para os fiéis defuntos!

UMA AULA DE HISTÓRIA DE PORTUGAL



Pergunta a Professora:

- Joãozinho, sabe a quem é que se deve o pinhal de Leiria?

- "Porra" ó s'tora, então essa "merda" também não está paga?!


Resposta correcta: Rei D. Dinis

21 de outubro de 2011

20 de outubro de 2011

Los indígenas esperan a Morales en el centro de La Paz para negociar

En El País.

E Portugal a ver navios...


Bruselas convierte a España en la puerta ferroviaria para Europa

Lou Reed & Metallica: The View

ETA põe fim a 43 anos de terror, mas sem nenhuma palavra de arrependimento nem referências às suas vítimas...



ETA ha anunciado su adiós a las armas a través de un comunicado, escrito y en vídeo, en las ediciones digitales de los diarios Gara y Berria


El País

Sants acoge este fin de semana el Encuentro 2011* Coop57



* Aquí mismo a porta de casa...




375 cooperativas y 1.500 ciudadanos han participado de un debate colectivo para definir el futuro de Coop57, la cooperativa pionera en financiación ética que cumple este año 15 años

Desde 2006, Coop57 ha financiado más de 700 proyectos por un valor superior a los 20 millones de euros • También ha gestionado la financiación de la Acusación Popular del Caso Millet

Coop57 está activamente implicado en la construcción de una caja cooperativa ética europea y el cónclave aborda las pasas necesarias por adelantar hacia una alternativa financiera ética


Todo a punto para el Encuentro 2011 de Coop57. Viernes 21, sábado 22 y domingo 23, el barrio de Sants de Barcelona acogerá el cónclave de la cooperativa de servicios financieros éticos y alternativos que debatirá y explorará, bajo el lema ‘Ni en nuestro nombre, ni con nuestro dinero', nuevos caminos para las finanzas éticas y solidarias que construyan respuestas sociales, inclusivas, ecológicas y solidarias a la actual crisis. Coop57, nacida en 1995 de la lucha sindical del editorial Bruguera e impulsada por el movimiento cooperativista catalán, es hoy una de las experiencias más arraigadas, más eficaces y más consolidadas de banca ética. Recoge ahorro social y popular y lo destina única y exclusivamente a financiar entidades de la economía social y solidaria. En los últimos 5 años Cooop57 ha financiado más de 700 proyectos por un valor superior a los 20 millones de  euros. Desde que llegara la crisis, Coop57 no ha dejado de aumentar su actividad, tanto en recursos captados (fruto de la conciencia ciudadana en relación al sistema financiero) como en préstamos concedidos (fruto del cierre absoluto del grifo credíticio al tejido productivo). Coop57 ha crecido en red, desde 2006, en Aragón, Andalucía, Madrid y Galicia. Actualmente tiene grupos promotores al País Valenciano y el País Vasco.

Debate cooperativo y diálogo social
El Encuentro 2011, un proceso participativo de debate que se cierra este fin de semana a Santos, arrancó el pasado enero para definir nuevos retos en materia financiera y avanzar hacia la democracia económica y social. Durante el fin de semana, se realizarán hasta 6 mesas redondas que reunirán 24 experiencias vinculadas directamente a la inserción social, la autogestión cooperativa, la economía solidaria, la defensa del medio ambiente o la lucha contra las desigualdades sociales.

Sants acoge el Encuentro por una economía solidaria y sostenible
El tejido social de Sants (desde la Federación de Cooperativas de Trabajo de Catalunya a la recuperada Can Batlló, pasando por el okupado CSOA Can Vías, el Centro Social de Santos o el Casal Independentista Jaume Cuento) ejerce de anfitrión del Encuentro, que reunirá más de 400 participantes y delegadas. El sábado un concierto del cantautor flamenco Juan Pinilla (Andalucía) y de cantautor valenciano Feliu Ventura (Xàtiva), que presentará el nuevo trabajo ‘Música y letra' (editado por la cooperativa Propaganda pel Fet), pondrán el toque cultural y artístico al Encuentro.

La clausura del Encuentro irá a cargo de Joan Subirats, catedrático de Ciencia Política a la UAB; Cristina Carrasco, profesora de Teoría Económica a la UB; y Luis González, portavoz de Ecologistas en Acción. Coop57 es miembro de la Federación de Cooperativas de Trabajo, de Servicoop (federación cooperativas servicios), de la FCCUC (cooperativas de consumo), de la Red de Economía Solidaria, de Apuesta-Escuela de Cooperativisme, de FETS y participa como socio transversal en el proyecto Fiare, para construir una caja cooperativa ética europea.





Página Coop57


Actualidad del Encuentro


Adelanto de Programación


Materiales de debate


Aportaciones

Saddam Hussein, Osama Bin Laden, Muammar al-Gaddafi... Ora bonecos da realpolitik recebidos com honras de Estado, ora inimigos desprezados, ora cadáveres mediáticos fora de prazo...

Forças líbias anunciam "ao mundo" que Khadafi "está morto"

Why Portugal is my number one...



I have been privileged to work in some wonderful countries but I don't think there are 


many  places on earth quite like Cascais, on the north Atlantic coast, where I have a home 


and  took some time off during the international break. Portugal is small and peaceful 


with extremely good weather and good food. You have the sea, too. Enough reasons to 


love it!




(Coluna de Sven Goran Eriksson, no The Independent)

O Paulo Portas é um visionário, afinal...



O que é o BCE, para totós!!!



 Que é o BCE?- O BCE é o banco central dos Estados da UE que pertencem à zona euro, como é o caso de Portugal.

E donde veio o dinheiro do BCE?- O dinheiro do BCE, ou seja o capital social, é dinheiro de nós todos, cidadãos da UE, na proporção da riqueza de cada país. Assim, à Alemanha correspondeu 20% do total. Os 17 países da UE que aderiram ao euro entraram no conjunto com 70% do capital social e os restantes 10 dos 27 Estados da UE contribuíram com 30%.

E é muito, esse dinheiro?- O capital social era 5,8 mil milhões de euros, mas no fim do ano passado foi decidido fazer o 1º aumento de capital desde que há cerca de 12 anos o BCE foi criado, em três fases. No fim de 2010, no fim de 2011 e no fim de 2012 até elevar a 10,6 mil milhões o capital do
banco.

Então, se o BCE é o banco destes Estados pode emprestar dinheiro a Portugal, ou não? Como qualquer banco pode emprestar dinheiro a um ou outro dos seus acionistas.- Não, não pode.

Porquê?!- Porquê? Porque... porque, bem... são as regras.

Então, a quem pode o BCE emprestar dinheiro?- A outros  bancos, a bancos alemães, bancos franceses ou portugueses.

Ah percebo, então Portugal, ou a Alemanha, quando precisa de dinheiro emprestado não vai ao BCE, vai aos outros bancos que por sua vez vão ao BCE.- Pois.

Mas para quê complicar? Não era melhor Portugal ou a Grécia ou a Alemanha irem diretamente ao BCE?- Bom... sim... quer dizer... em certo sentido... mas assim os banqueiros não ganhavam nada nesse negócio!

Agora não percebi!!..
- Sim, os bancos precisam de ganhar alguma coisinha. O BCE de Maio a Dezembro de 2010 emprestou cerca de 72 mil milhões de euros a países do euro, a chamada dívida soberana, através de um conjunto de bancos, a 1%, e esse conjunto de bancos emprestaram ao Estado português e a outros Estados a 6 ou 7%.

Mas isso assim é um "negócio da China"! Só para irem a Bruxelas buscar o dinheiro!- Não têm sequer de se deslocar a Bruxelas. A sede do BCE é na Alemanha, em Frankfurt. Neste exemplo, ganharam com o empréstimo a Portugal uns 3 ou 4 mil milhões de euros.

Isso é um verdadeiro roubo... com esse dinheiro escusava-se até de cortar nas pensões, no subsídio de desemprego ou de nos tirarem parte do 13º mês.As pessoas têm de perceber que os bancos têm de ganhar bem, senão como é que podiam pagar os dividendos aos acionistas e aqueles ordenados aos administradores que são gente muito especializada.

Mas quem é que manda no BCE e permite um escândalo destes?- Mandam os governos dos países da zona euro. A Alemanha em primeiro lugar que é o país mais rico, a França, Portugal e os outros países.

Então, os Governos dão o nosso dinheiro ao BCE para eles emprestarem aos bancos a 1%, para depois estes emprestarem a 5 e a 7% aos Governos que são donos do BCE?- Bom, não é bem assim. Como a Alemanha é rica e pode pagar bem as dívidas, os bancos levam só uns 3%. A nós ou à Grécia ou à Irlanda que estamos de corda na garganta e a quem é mais arriscado emprestar, é que levam juros a 6%, a 7 ou mais.

Então nós somos os donos do dinheiro e não podemos pedir ao nosso próprio banco!...- Nós, qual nós?! O país, Portugal ou a Alemanha, não é só composto por gente vulgar como nós. Não se queira comparar um borra-botas qualquer que ganha 400 ou 600 euros por mês ou um calaceiro que anda para aí desempregado, com um grande acionista que recebe 5 ou 10 milhões de dividendos por ano, ou com um administrador duma grande empresa ou de um banco que ganha, com os prémios a que tem direito, uns 50, 100, ou 200 mil euros por mês. Não se pode comparar.

Mas, e os nossos Governos aceitam uma coisa dessas?- Os nossos Governos...  Por um lado, são, na maior parte, amigos dos banqueiros ou estão à espera dos seus favores, de um empregozito razoável quando lhes faltarem os votos.

Mas então eles não estão lá eleitos por nós?- Em certo sentido, sim, é claro, mas depois... quem tem a massa é quem manda. É o que se vê nesta atual crise mundial, a maior de há um século para cá.
Essa coisa a que chamam sistema financeiro transformou o mundo da finança num casino mundial, como os casinos nunca tinham visto nem suspeitavam, e levou os EUA e a Europa à beira da ruína. É claro, essas pessoas importantes levaram o dinheiro para casa e deixaram a
gente como nós, que tinha metido o dinheiro nos bancos e nos fundos, a ver navios. Os governos, então, nos EUA e na Europa, para evitar a ruína dos bancos tiveram de repor o dinheiro.

E onde o foram buscar?- Onde havia de ser!? Aos impostos, aos ordenados, às pensões. De onde havia de vir o dinheiro do Estado?...

Mas meteram os responsáveis na cadeia?- Na cadeia? Que disparate! Então, se eles é que fizeram a coisa, engenharias financeiras sofisticadíssimas, só eles é que sabem aplicar o remédio, só eles é que podem arrumar a casa. É claro que alguns mais comprometidos, como Raymond McDaniel, que era o presidente da Moody's, uma dessas agências de rating que classificaram a credibilidade de Portugal para pagar a dívida como lixo e atiraram com o país ao tapete, foram... passados à reforma. Como McDaniel é uma pessoa importante, levou uma indemnização de 10 milhões de dólares a que
tinha direito.

E então como é? Comemos e calamos?- Isso já não é comigo, eu só estou a explicar.

18 de outubro de 2011

Também diz que Merkel e Sarkozy são líder e meio desta Europa...

A Europa não pode adiar mais decisões, diz Freitas do Amaral

Sem glúten


http://livroportuguessemgluten.blogspot.com/

E os Mazzy Star também estão de volta...

The Stone Roses voltam em 2012!

Pior seria ver o Poupas e a Avó Chica em cenas menos dignas...

Canal da Rua Sésamo no Youtube atacado por hackers e substituído por pornografia

Por descobrir...

João Ricardo Pedro vence Prémio LeYa 2011

Vacuna española contra la malaria



Otro gran paso...


Aquí.

La izquierda abertzale también reclama el "cese definitivo" de ETA

Un gran paso...

Aquí.

HORA E TEMPERATURA ACTUALIZADA NO MUNDO


http://www.jabo-net.com/heure.html

17 de outubro de 2011

RegioFlash: Latest news from EU Regional Policy


Newsletter

O fim do "sonho europeu"?

Há 43 milhões de pessoas sem dinheiro para pagar refeição diária

Um livro

Angola: trabalhar num país em construção

Parabéns, minha Princesa, meu grande Amor!




O que a Troika queria Aprovar e Não conseguiu!



Nenhum governante fala em:


1. Reduzir as mordomias (gabinetes, secretárias, adjuntos, assessores, suportes burocráticos respectivos, carros, motoristas, etc.) dos três ex-Presidentes da República.


2. Redução do número de deputados da Assembleia da República para 80, profissionalizando-os como nos países a sério. Reforma das mordomias na Assembleia da República, como almoços opíparos, com digestivos eoutras libações, tudo à custa do pagode.


3. Acabar com centenas de Institutos Públicos e Fundações Públicas que não servem para nada e, têm funcionários e administradores com 2º e 3º emprego.


4. Acabar com as empresas Municipais, com Administradores a auferir milhares de euro/mês e que não servem para nada, antes, acumulam funções nos municípios, para aumentarem o bolo salarial respectivo.


5. Por exemplo as empresas de estacionamento não são verificadas porquê? E os aparelhos não são verificados porquê? É como um táxi, se uns têm de cumprir porque não cumprem os outros? e se não sãoverificados como podem ser auditados?


6. Redução drástica das Câmaras Municipais e Assembleias Municipais, numa reconversão mais feroz que a da Reforma do Mouzinho da Silveira, em 1821.


7. Redução drástica das Juntas de Freguesia. Acabar com o pagamento de 200 euros por presença de cada pessoa nas reuniões das Câmaras e 75 euros nas Juntas de Freguesia.


8. Acabar com o Financiamento aos partidos, que devem viver da quotização  dos seus associados e da imaginação que aos outros exigem, para conseguirem verbas para as suas actividades.


9. Acabar com a distribuição de carros a Presidentes, Assessores, etc, das Câmaras, Juntas, etc., que se deslocam em digressões particulares pelo País;.


10. Acabar com os motoristas particulares 20 h/dia, com o agravamento das horas extraordinárias... para servir suas excelências, filhos e famílias e até, os filhos das amantes...


11. Acabar com a renovação sistemática de frotas de carros do Estado e entes públicos menores, mas maiores nos dispêndios públicos.


12. Colocar chapas de identificação em todos os carros do Estado. Não permitir de modo algum que carros oficiais façam serviço particular tal como levar e trazer familiares e filhos, às escolas, ir ao mercadoa compras, etc.


13. Acabar com o vaivém semanal dos deputados dos Açores e Madeira e respectivas estadias em Lisboa em hotéis de cinco estrelas pagos pelos contribuintes que vivem em tugúrios inabitáveis.


14. Controlar o pessoal da Função Pública (todos os funcionários pagos por nós) que nunca está no local de trabalho. Então em Lisboa é o regabofe total. HÁ QUADROS (directores gerais e outros) QUE, EM VEZ DEESTAREM NO SERVIÇO PÚBLICO, PASSAM O TEMPO NOS SEUS ESCRITÓRIOS DE ADVOGADOS A CUIDAR DOS SEUS INTERESSES, QUE NÃO NOS DÁ COISA PÚBLICA.


15. Acabar com as administrações numerosíssimas de hospitais públicos que servem para garantir tachos aos apaniguados do poder - há hospitais de província com mais administradores que pessoal administrativo. Só o de PENAFIEL TEM SETE ADMINISTRADORES PRINCIPESCAMENTE PAGOS... pertencentes ás oligarquias locais do partido no poder.


16. Acabar com os milhares de pareceres jurídicos, caríssimos, pagos sempre aos mesmos escritórios que têm canais de comunicação fáceis com o Governo, no âmbito de um tráfico de influências que há que criminalizar, autuar, julgar e condenar.


17. Acabar com as várias reformas por pessoa, de entre o pessoal do Estado e entidades privadas, que passaram fugazmente pelo Estado.


18. Pedir o pagamento dos milhões dos empréstimos dos contribuintes ao BPN e BPP.


19. Perseguir os milhões desviados por Rendeiros, Loureiros e Quejandos, onde quer que estejam e por aí fora.


20. Acabar com os salários milionários da RTP e os milhões que a mesma recebe todos os anos.


21. Acabar com os lugares de amigos e de partidos na RTP que custam milhões ao erário público.


22. Acabar com os ordenados de milionários da TAP, com milhares de funcionários e empresas fantasmas que cobram milhares e que pertencem a quadros do Partido Único (PS + PSD).


23. Assim e desta forma, Sr. Ministro das Finanças, recuperaremos depressa a nossa posição e sobretudo, a credibilidade tão abalada pela corrupção que grassa e pelo desvario dos dinheiros o Estado.


24. Acabar com o regabofe da pantomina das PPP (Parcerias Público Privado), que mais não são do que formas habilidosas de uns poucos patifes se locupletarem com fortunas à custa dos papalvos dos contribuintes, fugindo ao controle seja de que organismo independente for e fazendo a "obra" pelo preço que "entendem".


25. Criminalizar, imediatamente, o enriquecimento ilícito, perseguindo, confiscando e punindo os biltres que fizeram fortunas e adquiriram patrimónios de forma indevida e à custa do País, manipulando e aumentando preços de empreitadas públicas, desviando dinheiros segundo esquemas pretensamente "legais", sem controlo, e vivendo à tripa forra à custa dos dinheiros que deveriam servir para o progresso do país e para a assistência aos que efectivamente dela precisam; 


26. Controlar rigorosamente toda a actividade bancária por forma a que, daqui a mais uns anitos, não tenhamos que estar, novamente, a pagar "outra crise".


27. Não deixar um único malfeitor de colarinho branco impune, fazendo com que paguem efectivamente pelos seus crimes, adaptando o nosso sistema de justiça a padrões civilizados, onde as escutas VALEM e oscrimes não prescrevem com leis à pressa, feitas à medida.


28. Impedir os que foram ministros de virem a ser gestores de empresas que tenham beneficiado de fundos públicos ou de adjudicações decididas pelos ditos.


29. Fazer um levantamento geral e minucioso de todos os que ocuparam cargos políticos, central e local, de forma a saber qual o seu património antes e depois.


30. Pôr os Bancos a pagar impostos.

Omens sem H


Espantam-se? Não se espantem. Lá chegaremos. No Brasil, pelo menos, já se escreve "umidade". Para facilitar? Não parece. A Bahia, felizmente, mantém orgulhosa o seu H (sem o qual seria uma baía qualquer), Itamar Assumpção ainda não perdeu o P e até Adriana Calcanhotto duplicou o T do nome porque fica bonito e porque sim. Isto de tirar e pôr letras não é bem como fazer lego, embora pareça. Há uma poética na grafia que pode estragar-se com demasiadas lavagens a seco. Por exemplo: no Brasil há dois diários que ostentam no título esta antiguidade: Jornal do Commercio. Com duplo M, como o genial Drummond. Datam ambos dos anos 1820 e não actualizaram o nome até hoje. Comércio vem do latim commercium e na primeira vaga simplificadora perdeu, como se sabe, um M. Nivelando por baixo, temendo talvez que o povo ignaro não conseguisse nunca escrever como a minoria culta, a língua portuguesa foi perdendo parte das suas raízes latinas. Outras línguas, obviamente atrasadas, viraram a cara à modernização. É por isso que, hoje em dia, idiomas tão medievais quanto o inglês ou o francês consagram pharmacy e pharmacie (do grego pharmakeia e do latim pharmacïa) em lugar de farmácia; ou commerce em vez de comércio. O português tem andado, assim, satisfeito, a "limpar" acentos e consoantes espúrias. Até à lavagem de 1990, a mais recente, que permite até ao mais analfabeto dos analfabetos escrever sem nenhum medo de errar. Até porque, felicidade suprema, pode errar que ninguém nota. "É positivo para as crianças", diz o iluminado Bechara, uma das inteligências que empunha, feliz, o facho do Acordo Ortográfico. É verdade, as crianças, como ninguém se lembrou delas? O que passarão as pobres crianças inglesas, francesas, holandesas, alemãs, italianas, espanholas, em países onde há tantas consoantes duplas, tremas e hífens? A escrever summer, bibliographie, tappezzería, damnificar, mitteleuropäischen? Já viram o que é ter de escrever Abschnitt für sonnenschirme nas praias em vez de "zona de chapéus de sol"? Por isso é que nesses países com línguas tão complicadas (já para não falar na China, no Japão ou nas Arábias, valha-nos Deus) as crianças sofrem tanto para escrever nas línguas maternas. Portugal, lavador-mor de grafias antigas, dá agora primazia à fonética, pois, disse-o um dia outra das inteligências pró-Acordo, "a oralidade precede a escrita". Se é assim, tirem o H a homem ou a humanidade que não faz falta nenhuma. E escrevam Oliúde quando falarem de cinema. A etimologia foi uma invenção de loucos, tornemo-nos compulsivamente fonéticos. Mas há mais: sabem que acabou o café-da-manhã? Agora é café da manhã. Pois é, as palavras compostas por justaposição (com hífens) são outro estorvo. Por isso os "acordistas" advogam cor de rosa (sem hífens) em vez de cor-de-rosa. Mas não pensaram, ó míseros, que há rosas de várias cores? Vermelhas? Amarelas? Brancas? Até cu-de-judas deixou, para eles, de ser lugar remoto para ser o cu do próprio Judas, com caixa alta, assim mesmo. Só omens sem H podem ter inventado isto, é garantido.

Por Nuno Pacheco
Jornalista

O Silva das vacas




        Algumas das reminiscências da minha escola primária têm a ver com vacas. Porque a D.ª Albertina, a professora, uma mulher escalavrada e seca, mais mirrada que uva-passa, tinha um inexplicável fascínio por vacas. Primavera e vacas. De forma que, ora mandava fazer redacções sobre a primavera, ora se fixava na temática da vaca. A vaca era, assim, um assunto predilecto e de desenvolvimento obrigatório, o que, pela sua recorrência, se tornava insuportavelmente repetitivo. Um dia, o Zeca da Maria "gorda", farto de escrever que a vaca era um mamífero vertebrado, quadrúpede ruminante e muito amigo do homem a quem ajudava no trabalho e a quem fornecia leite e carne, blá, blá, blá, decidiu, num verdadeiro impulso de rebelião criativa, explicar a coisa de outra forma. E, se bem me lembro ainda, escreveu mais ou menos isto:
     "A vaca, tal como alguns homens, tem quatro patas, duas à frente, duas atrás, duas à direita e duas à esquerda. A vaca é um animal cercado de pêlos por todos os lados, ao contrário da península que só não é cercada por um. O rabo da vaca não lhe serve para extrair o leite, mas para enxotar as moscas e espalhar a bosta. Na cabeça, a vaca tem dois cornos pequenos e lá dentro tem mioleira, que o meu pai diz que faz muito bem à inteligência e, por não comer mioleira, é que o padre é burro como um tamanco. Diz o meu pai e eu concordo, porque, na doutrina, me obriga a saber umas merdas de que não percebo nada como as bem-aventuranças. A vaca dá leite por fora e carne por dentro, embora agora as vacas já não façam tanta falta, porque foi descoberto o leite em pó. A vaca é um animal triste todo o ano, excepto no dia em que vai ao boi, disse-me o pai do Valdemar "pauzinho", que é dono do boi onde vão todas as vacas da freguesia. Um dia perguntei ao meu pai o que era isso da vaca ir ao boi e levei logo um estalo no focinho. O meu pai também diz que a mulher do regedor é uma vaca e eu também não entendi. Mas, escarmentado, já nem lhe perguntei se ela também ia ao boi."
     Foi assim. Escusado será dizer que a D.ª Albertina, pouco dada a brincadeiras criativas, afinfou no pobre do Zeca um enxerto de porrada a sério. Mas acabou definitivamente com a vaca como tema de redacção. Recordei-me desta história da D.ª Albertina e da vaca do Zeca da Maria "gorda", ao ler que Cavaco Silva, presidente da República desta vacaria indígena, em visita oficial ao Açores, saiu-se a certa altura com esta pérola vacum: "Ontem eu reparava no sorriso das vacas, estavam satisfeitíssimas olhando o pasto que começava a ficar verdejante"! Este homem, que se deixou rodear, no governo, pelo que viria a ser a maior corja de gatunos que Portugal politicamente produziu; este homem, inculto e ignorante, cuja cabeça é comparada metaforicamente ao sexo dos anjos; este político manhoso que sentiu necessidade de afirmar publicamente que tem de nascer duas vezes quem seja mais honesto que ele; este "cagarola" que foi humilhado por João Jardim e ficou calado; este homem que, desgraçadamente, foi eleito presidente da República de Portugal, no momento em que a miséria e a fome grassam pelo país, em que o desemprego se torna incontrolável, em que os pobres são miseravelmente espoliados a cada dia que passa, este homem, dizia, não tem mais nada para nos mostrar senão o fascínio pelo"sorriso das vacas", satisfeitíssimas olhando o pasto que começava a ficar verdejante"! Satisfeitíssimas, as vacas?! Logo agora, em tempos de inseminação artificial, em que as desgraçadas já nem sequer dispõem da felicidade de "ir ao boi", ao menos uma vez cada ano!Noticiava há dias o Expresso que, há mais ou menos um ano e aquando de uma visita a uma exploração agrícola no âmbito do Roteiro da Juventude, Cavaco se confessou "surpreendidíssimo por ver que as vacas, umas atrás das outras, se encostavam ao robô e se sentiam deliciadas enquanto ele, durante seis ou sete minutos, realizava a ordenha"! Como se fosse possível alguma vaca poder sentir-se deliciada ao passar seis ou sete minutos com um robô a espremer-lhe as tetas!! Não sei se o fascínio de Cavaco por vacas terá ou não uma explicação freudiana. É possível. Porque este homem deve julgar-se o capataz de uma imensa vacaria, metáfora de um país chamado Portugal, onde há meia-dúzia de "vacas sagradas", essas sim com direito a atendimento personalizado pelo "boi", enquanto as outras são inexoravelmente "ordenhadas"! Sugadas sem piedade, até que das tetas não escorra mais nada e delas não reste senão peles penduradas, mirradas e sem proveito.A este "Américo Tomás do século XXI" chamou um dia João Jardim, o "sr. Silva". Depreciativamente, conforme entendimento generalizado. Creio que não. Porque este homem deveria ser simplesmente "o Silva". O Silva das vacas. Presidente da República de Portugal. Desgraçadamente.

Luís Manuel Cunha in «Jornal de Barcelos», 5 de Outubro, 2011.