7 de janeiro de 2013

"Moçambique é como um castelo de cartas que pode cair ao mínimo sopro"



Elísio Macamo esteve em Lisboa para a apresentação de uma conferência na Fundação Gulbenkian 
ENRIC VIVES-RUBIO

Querer saber se a Renamo tem armas seria o mesmo que perguntar “Quem matou Kennedy?” diz o académico moçambicano Elísio Macamo. “Nunca vamos ter resposta.” Mas apesar da fragilidade do país e das ameaças de Afonso Dhlakama, não acredita num regresso à guerra em Moçambique.

in Público