7 de janeiro de 2013

Os cortes nas pensões de reforma dos servidores do Estado...





Caros camaradas

Recentemente, o “Expresso” e a RTP1 trouxeram para a opinião pública uma pretensa comparação entre as pensões de reforma pagas pela Segurança Social e as que resultam das contribuições dos servidores do Estado para a Caixa Geral de Aposentações (CGA).

Sobre a notícia publicada no “Expresso” já tínhamos manifestado a nossa opinião (Resumo de Imprensa de 2012DEZ11), que nos permitimos recordar:

“O artigo do “Expresso” (8 de Dezembro) “Cortes atingem ADSE e pensões do Estado”, em que terá sido consultado o Governo (pois claro…), é a prova de que há jornalismo e jornalismo: servindo-se apenas dos números que dão jeito a quem foi consultado (“esquecendo-se” da especial composição do universo que integramos – magistrados, diplomatas, professores, militares, médicos, técnicos superiores de uma forma geral, etc. -, bem como dos descontos efectuados), mas tendo a “franqueza” de afirmar que os “representantes internacionais” terão ficado chocados com as diferenças verificadas entre a protecção social do sector Estado e a do privado, de que avultam as pensões de reforma e a assistência na doença, tudo é utilizado para justificar a machadada que o Governo pretende dar nessa área, a pretexto dos pretensos privilégios dos corpos especiais e restantes elementos da Administração Pública.”

Temos agora possibilidade de dar a conhecer um estudo sobre o assunto efectuado pelo Dr. Eugénio Rosa.

O Dr. Eugénio Rosa é um conhecido economista, com elevado grau académico, que integra o Conselho de Fiscalização do Montepio Geral e é assessor da CGTP, que prima por utilizar dados dos organismos públicos para ilustrar os seus estudos. Vejam como desmonta a campanha que visa levar à aceitação da redução das pensões dos servidores do Estado, o que inclui obviamente os militares.

Cordialmente,

As Relações Públicas da AOFA


Um artigo do Dr. Eugénio Rosa que repõe a verdade dos factos: