1 de agosto de 2013

Sobre A Gaiola Dourada...


Cabem quase todos os clichês previsíveis em apenas 90 minutos, alguns desnecessários ou exagerados, mas percebe-se a intenção comercial. O quadro com o bordado da Amália e a fotografia dos três pastorinhos sobre a cabeceira da cama são absolutamente desnecessários... 

De positivo, as interpretações do Zé, da Maria, da Paula e dos "franciús"... 

Conflito entre culturas e mentalidades diferentes? Conflitos de gerações? Hipocrisia e complexos de superioridade? Subserviência e complexos de inferioridade? Orgulho e saudade? De tudo um pouco... 

Et voilà, vemos os franceses a fazerem auto-retrato na sua relação com os "morues"... e talvez sobre os alicerces do seu próprio desenvolvimento pós-colonial e o bem-estar "premier monde" que invejamos... 

Dá para rir, às vezes sem sabermos muito bem porquê, outras de uma forma tão sentida como genuína. Também dá para chorar. Mas isso, é coisa minha... cara...o!