9 de setembro de 2013

Joseph Stiglitz: "É necessário haver mais Europa"



O Nobel da Economia Joseph Stiglitz, considera que se a política de austeridade não for abandonada, a zona euro poderá demorar longos anos a recuperar da crise.
Em entrevista ao Expresso, o professor da universidade de Columbia diz que, no caso português, sem crescimento e sem juros mais baixos, um cenário de reestruturação de dívida pode ser inevitável. 

E defende que o Governo de Pedro Passos Coelho deve tentar evitar mais austeridade reconhecendo, no entanto, que, no atual contexto, a margem é bastante reduzida.

Ler mais: 


Ver também em Publico.pt
 
O professor da Universidade de Columbia nos Estados Unidos e Nobel da Economia em 2001 Joseph Stiglitz considera que “num cenário extremamente optimista, a recuperação na zona euro pode acontecer em cinco anos” e acrescenta que “uma perspectiva mais razoável “ o leva pensar numa recuperação daqui a “dez ou 15 anos”. Numa entrevista ao semanário Expresso publicada neste sábado, defende uma "união monetária completa" da Europa que contribua para resolver o problema da dívida e pôr fim à "dor desnecessária" e "auto-infligida" da austeridade.

Stiglitz é um conhecido crítico das políticas de austeridade, caminho que mais uma vez desaconselha o Governo português a seguir. Nesta entrevista, diz que é mais provável os países regressarem aos mercados por si só, do que com apoio.

“O consenso geral é que a maior parte dos países europeus não vão conseguir regressar aos mercados”, nota, explicando que só uma melhoria da sustentabilidade da dívida, que é medida pelo peso da dívida pública no Produto Interno Bruto (PIB), facilitaria um regresso aos mercados. No entanto, aponta, a troika subestimou a gravidade do impacto das suas políticas e as recessões causadas. Estas, ao fazerem cair o PIB, aumentaram o peso da dívida.

O economista e professor da Universidade de Columbia nos Estados Unidos não está necessariamente mais optimista em relação às economias da zona euro agora que a recessão terminou. A única notícia boa é que a economia deixou de cair. Mas enquanto houver austeridade, será muito difícil haver uma recuperação, explica. "A economia estabilizou num nível muito baixo. A este ritmo, a recuperação está a anos de distância. A perda de capital humano e o desperdício de recursos é enorme." 

Stiglitz evoca o célebre lema de Keynes de que, no longo prazo, as economias recuperam, mas isso “quando estivermos todos mortos”. A austeridade “é uma dor desnecessária”, defende, e “auto-infligida”.

Para resolver o problema da dívida, Stiglitz defende "eurobonds ou um mecanismo semelhante de contracção de empréstimos a nível europeu”. “A Europa precisa de uma união bancária completa, não apenas uma supervisão, mecanismo de resolução e garantia de depósitos comuns”, diz ainda ao Expresso. E conclui: “É necessário haver mais Europa.”

E isso não apenas no orçamento disponível em Bruxelas, que deveria ser “mais do que o valor minúsculo que tem hoje” mas também, por exemplo, na política industrial. Aqui, diz Stiglitz, “devia ser permitido aos países mais atrasados recuperar e a directiva da concorrência torna isso muito difícil”.