29 de setembro de 2014

EDDIE BERMAN WITH LAURA MARLING - LIKE A ROLLING STONE

REVIVING BENFICA: THE RETURN OF BELA GUTTMANN



Early in August, Bela Guttmann returned to Lisbon to be greeted at the airport by a wildly
enthusiastic crowd of players, directors and fans all hysterically delighted to welcome him 
home. For the Hungarian born, naturalised Austrian, "home" now is surely Lisboa, for 
although it is now more than three years since he quit, it has never ceased to be clear that 
Guttmann left his heart with Benfica.

This being so, it becomes difficult to understand why he left in the first place, for there 
was never any suggestion of the directors sacking him, or another club attracting him. 
His resignation, announced so sensationally in London, where Benfica were to meet 
Tottenham Hotspur in the Semi-Final of the European Cup only 24 hours later, was a 
typically Guttmann touch for while the decision had been made months before, he 
withheld the announcement until it could bring the maximum benefit to Benfica.

Why he left was another matter entirely - the result of a deliberately "stingy" policy 
on the part of Benfica directors (stingy being the Hungarian's own word). The atmosphere 
between coach and directors was certainly strained by a series of petty restrictions and 
minor disagreements, but the clincher was the attitude adopted by the Benfica President 
regarding money. Bela Guttmann stresses that Sport Lisboa e Benfica honoured his 
contract to the letter, but there is little doubt that Benfica were far from generous 
towards the man who took them from obscurity to the very peak of the European game. 

When Guttmann arrived, Benfica were virtually unknown outside Portugal, and prior to the 
campaign of 1960-61, when they became champions of Europe, their only previous 
excursion into the Copa Europa had ended abruptly in the first round when Seville beat 
them (3-1 and 0-0) in 1957. When Guttmann took over, no one imagined that Benfica 
could win the European Cup and in the contract between coach and club, the possibility 
wasn't mentioned. Only later, did it become dear that Guttmann had erred in relying 
on the club's generosity for the bonus he received for "winning" the European Cup in 1961 
was $4,000 less than that laid down in the contract for winning the Portuguese 
championship! 

Again, when Benfica had travelled to West Germany a few weeks before the Tottenham 
clash, Bela Guttmann had taken his wife with him to see the 1st FC Nurnberg-Benfica 
match. It was rare for his wife to travel with him, but the club had readily agreed to 
Mrs. Guttmann accompanying her husband, but back in Lisbon a few days after the game, 
Bela Gutmann received a bill from the club for half the cost of the hotel room Mr. and Mrs. 
Gutmann had shared in Nurnberg. To Guttmann, this was the last straw, for the club that 
he had taken from obscurity to worldwide fame, and made thousands of pounds from his 
endeavours should adopt such a pinch-penny attitude. 

Guttmann resolved to leave. Arriving in London with a 3-1 lead before the start of the 
second leg clash. with Tottenham, Benfica were big news in Fleet Street, and pursued by 
pressmen wherever they went. Guttmann resolved to attract the major part of the 
lime-light so that his players could rest and relax in comparative privacy. Accordingly 
he made his announcement, diverting attention to himself, and allowing him to produce 
another example of his flair for psychological warfare which has become part of the game.

After the first story broke, the pressmen clamoured for more, always seeking a new angle 
and Guttmann provided a lead. Knowing that a great part in Tottenham's successes against 
Continental sides, had stemmed from the robust play of Bobby Smith and Dave Mackay, 
Guttmann let it be known to one or two journalists that he feared that the referee was 
inexperienced and that Smith and Mackay would wreak havoc amongst the Benfica 
players who were even less accustomed to over - vigorous play than the majority of 
Continentals. Predictably, the journalists made haste to acquaint the referee with 
Guttmann's fears (hoping for another angle) but while the referee refused to comment 
beyond asserting that he "was" an experienced referee, he also made a very sharp note 
to pay particular attention to these two players right from the start of the match.

This flair for psychology is a vital part of Bela Guttmann's armour - which he claims can 
only be acquired from experience throughout the world. In some countries the press and 
match officials are constantly being used, and after suffering at the hands of shrewd 
coaches in South America he now claims to have seen most of the tricks that can be pulled.

Guttmann stresses continuously the value of travel and experience in every shade of the 
game, pointing to his own record of around 25 years' coaching in the world game which has 
taken him through Hungary, Rumania, Italy, Cyprus, Argentina, Brazil, Portugal, Austria and
 Uruguay.

There are things to be learned he says in London and Budapest as well as Buenos Aires, 
but you cannot hope to see everything in one country, and the more you've seen and 
experienced the better off you are. "Benfica," says Bela Guttmann, "have their own brand 
of mystique, an inexplicable atmosphere all of their own." The players feel it, and 
the 65,000 club members (socios) are all aware of it, everyone at Benfica is touched by it.

Amongst the players this "mystique" asserts itself in the determination that no one can 
do too much for Benfica, and to Guttmann himself, accustomed to giving 100% effort 
wherever he has been engaged, he found himself wanting to do more for the club and his 
players. Such an atmosphere is bound to bring success if the coach has a real eye for 
talent, and this without doubt was Bela Guttmann's greatest contribution in Benfica's climb 
to the top. 

To Bela Guttmann, the first point for coaches is to bring on the youngsters. Guttmann 
has the "eye" and the depth of under standing, both of people and the game, to be able to 
develop talent. He spots it, signs it, nurtures it, and when the youngster is ready introduces
 him to the first team. 

In all this, Guttmann professes himself unable to explain what attracts him to one 
particular player (but I suspect he was simply unwilling). Why, after all, should he 
advertise his methods freely? To Guttmann spotting talented youngsters, is an inexplicable 
art, comparable to the situation we all find ourselves in when buying a suit. This is nice, 
that material is excellent, but the colour ... not quite. Aah, this one. Why, one often 
doesn't know, but you like it. That's the one you want. Now having found the youngster, 
Guttmann likens himself to a diamond cutter who cuts a little here, polishes there, and 
produces a perfect gem. All stones are different--just like the players--and diamond cutting
 is an art, just like coaching.

Given the players, Guttmann must now shape them into a team--not wanting too many 
A-class players, for a football team is like a cocktail. Too much of anything can spoil 
it--the taste, the flavour must be exactly right, and Guttmann does the mixing, the shaking 
and the tasting.

Guttmann's critics claim that he is simply "lucky", though being realistic one must accept 
that he has produced and helped produce too many excellent players for luck to play a 
major role in his achievements, and though he won't discuss these things, he undoubtedly 
"knows" exactly what he is seeking. Instinct certainly plays a part, but the story behind the 
signing of Eusebio makes it clear that Bela Guttmann is a very shrewd judge.

There was an element of luck in bringing Eusebio to Benfica - the chance that on one 
particular afternoon, Bela Guttmann went for a walk on one of Lisbon's main boulevards,
 and ran into an old friend, Sao Paulo F.C.'s former centre-half Bauer. Bela Guttmann 
had been the coach of Sao Paulo F.C. several years before, but hadn't seen Bauer since. 

Bauer was now the club coach, en route to Africa for a club tour, and before they 
parted Guttmann asked him to let him know if he saw any useful players in the Portuguese 
Colonies. Two months later, chance intervened once more, for Bela Guttmann met Bauer 
again, this time in a barber's shop, and discussing the tour asked if he had seen anything
 worthwhile. Bauer was enthusiastic about a young player he had wanted to sign, an 
inside-forward with real talent, he said, but though he had asked Sao Paulo to engage 
him, his club demanded $20,000 and the Brazilians wouldn't pay that much.

With many men, the conversation would have ended the matter, but to Bela Guttmann 
Bauer was no fool If he wanted to sign the boy that much, then he was certainly good, 
perhaps really outstanding. Leaving the barbers shop, Guttmann found a telephone, and 
called the club. He wanted to go to Mozambique, and maybe sign a player for $20,000 
(£7,500). Three days later he flew out from Lisbon, and came back with Eusebio da Silva 
Ferreira. Could that be attributed to luck alone?

Guttmann says that it is becoming increasingly difficult to develop young players for the 
modern game. The coach must dedicate himself to his players, working with them 
every day, and though it's no great problem in countries where the game is established
 on a professional basis, it's hard work and almost impossible to achieve the required 
results in semi-professional countries. The modern player must dedicate himself equally, 
and neither smoke nor drink. Here Guttmann tells of seeing English professionals smoking 
at halftime! 

Though demanding dedication, Guttmann has never been a tyrant. In Brazil he found it 
was the practice for all players married or single to be locked up, under supervision six 
days a week, but for him it was quite acceptable that players lived at home. If they 
behaved themselves - fine, if they didn't then they were "invited" to live in the specially 
adapted club house.

In his attitude towards the game as a whole, Bela Guttmann is refreshingly logical and 
honest. A confirmed opponent of defensive football, he wouldn't consider an offer to 
return to Italian football, where he says the public doesn't want anything more than a 
good result. Play well and lose in Italy, and the coach is sacked. Play badly and win, 
and the coach gets medals. While Guttmann was with Benfica, they lost many games, 
yet throughout he asked only that every player gave everything he had to play good 
football, to give the public something for their money, and to win. When Benfica played 
well Guttmann was delighted even when they lost, and often he would stand in the 
dressing room surveying his distressed and almost heartbroken team. No one was to 
blame, the players couldn't have done more and in this situation Guttmann would call for 
the President to give the players the same bonus they would have had for winning. On the 
other hand, there were also times when Benfica won easily but didn't play well, and then 
he would ask the directors to give only half the bonus they had been offered if they won.

Between these two extremes Guttmann aims to get the best from every player, 
without hard and fast reference to results. If they satisfy Guttmann, then all is well. If 
they don't, there's trouble. 

Viewing the future of the game, Bela Guttmann is more than a little sceptical, 
particularly with the powers that be contemplating another change in the offside law. 
This in Guttmann's view would kill the game. Generally, Bela Guttmann attributes the 
bulk of the problems facing the game to the attitude of club directors for they alone can 
wield the real influence that could put the game back on its feet. The game can swing 
back away from defence for its own sake, but the directors must change their attitude. 
When directors appreciate good football, when they like it and enjoy it and don't fear 
losing, then the game can rise to new peaks, but if the clubs are all petrified at the 
thought of defeat, if the directors will not settle for anything less than a victory, then the 
game will die.

Bela Guttmann has gone home, home to Sport Lisboa de Benfica. The players will be 
happier than they have been since 1962, and even those newcomers to whom the 
name Bela Guttmann is only a legend, there is a new excitement within the club. This 
time they can beat Internazionale for the Copa Europa, and with Bela Guttmann at 
the helm there will surely be a stream of talented youngsters surging through the club in a 
never ending upward spiral.

The policy of buying the best players in Portugal will be reversed; the boys will get their 
chance, and the future of the club will be assured. Maybe it's the boys who have conjured 
up the mystique that surrounded Benfica during Bela Guttmann's last spell with the club, 
boys who dreamed of playing in Benfica's first team, and haven't woken up yet.

This article appeared in the September 1965 edition of World Soccer magazine. 

Source: here

24 de setembro de 2014

"Sporting, 60 anos a rugir na Europa"



Vamos lá ver os grandes rugidos do Sporting na Europa.

Participam na primeira edição da TCE, em 55/56, por convite sendo o campeão o Benfica. Se foram convidados, é porque consideraram que eram a equipa mais adequada para representar Portugal. O resultado foi brilhante! Eliminados na 1ª eliminatória pelo Partizan, sem alcançarem qualquer triunfo.

Começava assim, a anedota Sporting na maior prova do mundo. A azelhice e a patetice já não eram apenas um exclusivo português. Agora o Sporting podia exportar a sua incompetência, para gáudio dos adeptos de futebol por essa Europa fora.

A sua segunda participação, foi em 58/59, e voltaram a ser eliminados na 1ª eliminatória pelo Standard com duas derrotas. Ainda não foi desta que se sentiu o rugido.

Em 61/62, foram eliminados pelo Partizan nas pré-eliminatórias, sem qualquer vitória. Outra vez os jugoslavos a derrotar a maior potência desportiva nacional.

Em 62/63, o Sporting consegue finalmente a sua primeira vitória na TCE, embora tenha sido eliminado na 1ª eliminatória. Sporting venceu o colosso Dundee por 1-0, embora na segunda mão tenha perdido por 4-1. Entretanto, um clube português já era bi-campeão europeu.

Em 66/67, a maior potência desportiva nacional, jogou na 1ª eliminatória com o Vasas. Mas acabou eliminada com um agregado de 7-0. Continuava difícil o rugido do leão.

Em 70/71, o Sporting finalmente ruge. Eliminam o grande Floriana de Malta na 1ª eliminatória, e na 2º eliminatória perdem os dois jogos com o Carl Zeiss Jena.

Timidamente, o leão ia começando a rugir!

Na inolvidável época de 74/75, o brilhante Sporting aparece em grande forma na 1ª eliminatória da TCE. Frente ao Saint-Étienne, o colosso do reino da selva, esteve em grande forma, mas acabou eliminado. 2-0 em França e 1-1 em Lisboa, ditavam a eliminação do leão na primeira fase da prova.

Passaram mais 5 anos e em 80/81, o colossal Sporting, campeão nacional, defronta o Honved da Hungria na 1ª eliminatória da TCE. Como sempre... perdeu. 3-0 foi o resultado agregado. 2 derrotas afastaram o campeão português.

Em 82/83, o Sporting faz história. Passa a 1ª e a 2ª eliminatória e é eliminado nos quartos pela Real Sociedad. O 1-0 em Lisboa não chegou aos bravos leões. Aumentavam para 4 os clubes que perderam um jogo com o Sporting na TCE.

Toda a Europa estava rendida a este bravo leão, que atingira os quartos-de-final da TCE. Uma bela equipa que tinha aparecido e que captou a atenção de todos... Toda a Europa estava ansiosa por ver mais deste tal de "Desportivo". 

A Europa esperou, esperou, esperou e esperou...mas... o simpático clube de camisola às riscas, que chegou aos quartos em 1983, só voltaria a aparecer na melhor prova do Mundo, 14 anos depois em 1997...

A Europa tinha esquecido o Sporting, e poucos conheciam aquela equipa verde como a esperança que apareceu em 97/98 na fase de grupos da Champions. Vitórias? Só uma em casa com o Mónaco. O número de clubes a perderem jogos com o Sporting, aumentava assim para 5.

Em 2000/2001, o Sporting com aura de campeão, entra destemido na fase de grupos da Champions. Infelizmente, não ganhou qualquer jogo. 4 derrotas e 2 empates, afastaram a maior potência desportiva nacional.

Em 02/03, Portugal pela primeira e única vez, não teve ninguém na fase de grupos da Champions. A proeza foi cometida pelo Sporting, eliminado na pré-eliminatória. Em 05/06, o Sporting também não conseguira atingir a fase de grupos, tendo sido eliminado pela Udinese.

Em 06/07 e 07/08, o colosso esteve na fase de grupos, infelizmente sem sucesso. Ainda assim o número de clubes a quem ganharam jogos, aumentou para 7. Vitória sobre o Inter, com golo de Caneira e vitórias sobre o D.Kiev no ano seguinte, mostravam um leão assanhado.

Em 08/09, o maior rugido de todos. Vitórias sobre Basel e Shakhtar, aumentava o número de clubes a quem eles já ganharam jogos na Champions/TCE para 9. A proeza valia a classificação no grupo. Nos oitavos, os inexperientes leões foram um alvo fácil para um esfomeado Bayern de Munique. 12-1, foi o resultado agregado, o mais desnivelado de sempre da Champions.


Este ano o Sporting está de volta à maior prova do mundo, e é este o passado que carrega às costas. Felizmente tudo começou bem com um empate no terreno do eterno campeão esloveno, Maribor. Será que é este ano que ganham ao 10º clube? Veremos.

João Moutinho

23 de setembro de 2014

Les Feuilles d'Automne...


Soleils couchants

Le soleil s'est couché ce soir dans les nuées; 
Demain viendra l'orage, et le soir, et la nuit; 
Puis l'aube, et ses clartés de vapeurs obstruées; 
Puis les nuits, puis les jours, pas du temps qui s'enfuit!


Tous ces jours passeront ; ils passeront en foule 
Sur la face des mers, sur la face des monts, 
Sur les fleuves d'argent, sur les forêts où roule 
Comme un hymne confus des morts que nous aimons.



Et la face des eaux, et le front des montagnes, 
Ridés et non vieillis, et les bois toujours verts 
S'iront rajeunissant ; le fleuve des campagnes 
Prendra sans cesse aux monts le flot qu'il donne aux mers.



Mais moi, sous chaque jour courbant plus bas ma tête, 
Je passe, et, refroidi sous ce soleil joyeux, 
Je m'en irai bientôt, au milieu de la fête, 
Sans que rien manque au monde immense et radieux! 

Victor Hugo, Les Feuilles d'Automne

Arcade Fire - Age of Consent

Arcade Fire Encore with Mavis Staples

Arcade Fire - Oh It's Such A Shame

22 de setembro de 2014

¿Después de Escocia, Catalunya?



Esther Vivas

Escocia ya ha votado, ¿Catalunya lo va a hacer? El parlamento catalán ha aprobado este viernes la ley de consultas que así lo permite. Un 78,5% de la cámara le ha dado su apoyo. Y lo que es más importante: un millón 800 mil personas lo exigieron el pasado 11 de septiembre en una masiva movilización en la capital catalana.

Sin embargo, el Reino Unido no es España, ni David Cameron es Mariano Rajoy. No lo digo porque tenga una especial simpatía por el “Imperio británico” ni por su primer ministro, más bien al contrario, no olvidemos el pasado opresor y colonial del Imperio y la política de recortes de los conservadores. Pero sí que estos días hemos visto que en algunos países hay una democracia de primera y en otros una de segunda. Y la democracia española, visto lo visto, está a años luz de jugar la Champions.

Aunque esto tampoco nos tendría que sorprender. El mismo presidente y su partido que no permite el derecho a los catalanes a votar es el que no quiere tampoco manifestaciones frente al Congreso de los Diputados. A algunos el derecho a decidir, ya sea de los pueblos o de las personas, les da miedo, mucho miedo. Su partido acólito, aquel que se viste de renovación para que todo cambie sin que nada cambie, esto del “derecho de los pueblos” también le pone nervioso, en la línea del nerviosismo que gasta con aquellos que ocupan calles y plazas, ya lo vimos con el Sr. Zapatero y el 15M.

Seguir leyendo el artículo en este link.

18 de setembro de 2014

La Historia de Monsanto Resumida a 70 Segundos

Tribuna ISGlobal - "la Caixa" (29/09): El futuro de la cooperación


La Obra Social "la Caixa" y el Instituto de Salud Global de
Barcelona (ISGlobal) organizan la conferencia
"El futuro de la cooperación: Objetivos después del milenio",
a cargo de Chris Elias, presidente del Programa de Desarrollo
Global de la Fundación Bill y Melinda Gates.

El acto contará también con la participación de Javier Solana,
vicepresidente de ISGlobal y patrono de la Fundación Bancaria
"la Caixa", y Pedro Alonso, director de ISGlobal y nuevo director del
Programa Global de Malaria de la Organización Mundial de la Salud.
El acto tendrá lugar
el lunes 29 de septiembre de 2014
a las 19.30 h
en CosmoCaixa Barcelona
(c. de Isaac Newton, 26)


(Aforo limitado)

11 de setembro de 2014

Para que servem as primeiras páginas dos jornais e os grandes casos dos noticiários das TV?




Se pensarmos no que as primeiras páginas e as aberturas dos telejornais nos disseram enquanto decorriam as traficâncias que iriam dar origem aos casos do BPN, do BPP, dos submarinos, das PPP, dos SWAPs, da dívida, e agora do Espírito Santo, é fácil concluir que servem para nos tourear.

Desde 2008 que as primeiras páginas dos Correios das Manhas, os telejornais das Moura Guedes, os comentários dos Medinas Carreiras, dos Gomes Ferreiras, dos Camilos Lourenços, dos assessores do Presidente da República, dos assessores e boys dos gabinetes dos ministros, dos jornalistas de investigação, nos andam a falar de tudo e mais alguma coisa, excepto das grandes vigarices, aquelas que, de facto, colocam em causa o governo das nossas vidas, da nossa sociedade, os nossos empregos, os nossos salários, as nossas pensões, o futuro dos nossos filhos, dos nossos netos. Que me lembre falaram do caso Freeport, do caso do exame de inglês de Sócrates, da casa da mãe do Sócrates, do tio do Sócrates, do primo do Sócrates que foi treinar artes marciais para a China, enfim que o Sócrates se estava a abotoar com umas massas que davam para passar um ano em Paris, mas nem uma página sobre os Espirito Santo! É claro que é importante saber se um primeiro ministro é merecedor de confiança, mas também é, julgo, importante saber se os Donos Disto Tudo o são. E, quanto a estes, nem uma palavra. O máximo que sei é que alguns passam férias na Comporta a brincar aos pobrezinhos. Eu, que sei tudo do Freeport, não sei nada da Rioforte! E esta minha informação, num caso, e falta dela, noutro, não pode ser fruto do acaso. Os directores de informação são responsáveis pela decisão de saber uma e desconhecer outra.

Os jornais, os jornalistas, andaram a tourear o público que compra jornais e que vê telejornais.
Em vez de directores de informação e jornalistas, temos novilheiros, bandarilheiros, apoderados, moços de estoques, em vez de notícias temos chicuelinas.
Não tenho nenhuma confiança no espírito de auto critica dos jornalistas que dirigem e condicionam o meu acesso à informação: todos eles aparecerão com uma cara à José Alberto de Carvalho, à Rodrigues dos Santos, à Guedes de Carvalho, à Judite de Sousa (entre tantos outros) a dar as mesmas notícias sobre os gravíssimos casos da sucata, dos apelos ao consenso do venerando chefe de Estado, do desempenho das exportações, dos engarrafamentos do IC 19, das notas a matemática, do roubo das máquinas multibanco, da vinda de um rebenta canelas uzebeque para o ataque do Paiolense de Cima, dos enjoos de uma apresentadeira de TV, das tiradas filosóficas da Teresa Guilherme. Todos continuarão a acenar-me com um pano diante dos olhos para eu não ver o que se passa onde se decide tudo o que me diz respeito.

Tenho a máxima confiança no profissionalismo dos directores de informação, que eles continuarão a fazer o que melhor sabem: tourear-nos. Abanar-nos diante dos olhos uma falsa ameaça para nos fazerem investir contra ela enquanto alguém nos espeta umas farpas no cachaço e os empresários arrecadam o dinheiro do respeitável público.

Não temos comunicação social: temos quadrilhas de toureiros, uns a pé, outros a cavalo.
Uma primeira página de um jornal é, hoje em dia e após o silêncio sobre os Espirito Santo, um passe de peito.
Uma segunda página será uma sorte de bandarilhas.
Um editor é um embolador, um tipo que enfia umas peúgas de couro nos cornos do touro para a marrada não doer.
Um director de informação é um “inteligente” que dirige uma corrida.

Quando uma estação de televisão convida um Camilo Lourenço, um Proença de Carvalho, um Gomes Ferreira, um João Duque, um Judice, um Marcelo, um Miguel Sousa Tavares, um Angelo Correia, devia anunciá-los como um grupo de forcados: Os Amadores do Espirito Santo, por exemplo. Eles pegam-nos sempre e imobilizam-nos. Caem-nos literalmente em cima.

As primeiras páginas do Correio da Manhã podiam começar por uma introdução diária: Para não falarmos de toiros mansos, os nossos queridos espectadores, nem de toureios manhosos, os nossos queridos comentadores, temos as habituais notícias de José Sócrates, do memorando da troika, da imperiosa necessidade de pagar as nossas dividas.

Todos os programas de comentário político nas TV deviam começar com a música de um passo doble. Ou com a premonitória “Tourada” do Ary dos Santos, cantada pelo Fernando Tordo.

O silêncio que os “negócios “ da família "Dona Disto Tudo" mereceu da comunicação social, tão exigente noutros casos, é um atestado de cumplicidade: uns, os jornalistas venderam-se, outros queriam ser como os Espirito Santo. Em qualquer caso, as redacções dos jornais e das TV estão cheias de Espiritos Santos. Em termos tauromáticos, na melhor das hipóteses não temos jornalistas, mas moços de estoques. Na pior, temos as redacções cheias de vacas a que se chamam na gíria as “chocas”.

O que o silêncio cúmplice, deliberadamente cúmplice, feito sobre o caso Espirito Santo, o que a técnica do desvio de atenções, já usada por Goebels, o ministro da propaganda de Hitler, revelam é que temos uma comunicação social avacalhada, que não merece nenhuma confiança.

Quando um jornal, uma TV deu uma notícia na primeira página sobre Sócrates( e falo dele porque a comunicação social montou sobre ele um operação de barragem pelo fogo, que na altura justificou com o direito a sabermos o que se passava com quem nos governava e se esqueceu de nos informar sobre quem se governava) ficamos agora a saber que esteve a fazer como o toureiro, a abanar-nos um trapo diante dos olhos para nos enganar com ele e a esconder as suas verdadeiras intenções: dar-nos uma estocada fatal!

Porque será que comentadores e seus patrões, tão lestos a opinar sobre pensões de reforma, TSU, competitividade, despedimentos, aumentos de impostos, gente tão distinta como Miguel Júdice, Proença de Carvalho, Angelo Correia, Soares dos Santos, Ulrich, Maria João Avilez e esposo Vanzeller, não aparecem agora a dar a cara pelos amigos Espirito Santo?

Porque será que os jornais e as televisões não os chamam, agora que acabou o campeonato da bola?

Um grande Olé aos que estão agachados nas trincheiras, atrás dos burladeros!

Carlos de Matos Gomes 
 

Nascido em 24/07/1946, em V. N. da Barquinha. Coronel do Exército (reforma). Cumpriu três comissões na guerra colonial em Angola, Moçambique e Guiné, nas tropas especiais «comandos».

7 de setembro de 2014

ATTAC Palencia con CARLOS TAIBO, el 25 de septiembre


El próximo jueves día 25 de septiembre a las 19 horas estará con nosotros CARLOS TAIBO  en el salón de actos de la Biblioteca Pública de Palencia (C/ Eduardo Dato). Nos hablará sobre el tema "¿POR QUÉ EL DECRECIMIENTO?"

CARLOS TAIBO es profesor de Ciencia Política y de la Administración en la Universidad Autónoma de Madrid.

http://vimeo.com/16975239
 

3 de setembro de 2014

Ébola - Informação sobre o actual surto do vírus na África Ocidental


Caros compatriotas,


Transcreve-se em baixo a última informação da Direcção-Geral de Saúde sobre o Ébola:


“Decorre desde há alguns meses, na África Ocidental, um surto de doença por vírus Ébola afetando, até ao momento, Guiné-Conacry, Libéria, Serra Leoa e Nigéria. Até à data foram reportados 3069 casos (a 28 agosto de 2014), estimando-se uma taxa de letalidade de cerca de 52%. O vírus identificado é 98% semelhante ao vírus Ébola Zaire, que está associado a elevadas taxas de letalidade.

Em seres humanos, a evidência obtida a partir de surtos relatados sugere que a principal via de transmissão do vírus Ébola seja por contacto com:

- sangue, secreções, tecidos, órgãos ou líquidos orgânicos de doentes vivos ou cadáveres ou com animais infetados, vivos ou mortos, ou através da manipulação ou ingestão de carne de caça (primatas, antílopes e algumas espécies de morcegos);

- objetos ou superfícies contaminados com sangue ou outros fluidos orgânicos de pessoas ou animais infetados, vivos ou mortos.

A transmissão do vírus ocorre apenas com o início dos sintomas. Não há evidência epidemiológica de transmissão por aerossol deste vírus. Ocasionalmente, constatou-se que pode ocorrer transmissão através de contactos sexuais não protegidos com homens infetados, até 7 semanas após a cura clínica. O risco de infeção é considerado muito baixo em visitantes e residentes nos países afetados, desde que não se verifique exposição direta a pessoas ou animais doentes. No entanto, existe um risco acrescido para os profissionais de saúde que pode ser minimizado se forem cumpridos os procedimentos recomendados para prevenção da transmissão da doença.

Não estão interditadas as viagens internacionais para as áreas afetadas, mas os cidadãos devem ponderar viajar apenas em situações essenciais, tendo em atenção o princípio da precaução.

Em 27/08/2014, a Direcção-Geral da Saúde (DGS) recebeu a confirmação da atividade viral por Ébola na República Democrática do Congo (zona de Boende, na província do Equateur). Até ao momento, segundo a OMS, acredita-se que o surto agora notificado naquele país não tenha relação com a epidemia que decorre na África Ocidental.

A DGS continua a acompanhar a situação e adotará as medidas adequadas de acordo com a avaliação de risco, tendo em conta as características do agente infecioso e as suas formas de transmissão.

Em Portugal, até ao momento, não foi identificado nenhum caso desta doença.

Ao viajar para regiões afetadas:
O cumprimento das medidas de proteção individual é a única forma de prevenir a infeção.

- Siga as indicações das Autoridades de Saúde locais, cumprindo as regras de higiene básicas (lavagem frequente das mãos). O vírus é facilmente eliminado pela utilização de sabão, lixívia, pela ação da luz solar ou por secagem (o vírus sobrevive por pouco tempo em superfícies expostas ao sol);

- Não contacte com animais selvagens vivos ou mortos (macacos, morcegos, antílopes, entre outros). Não consuma a carne desses animais;

- Cozinhe bem os alimentos de origem animal (sangue, carne, leite, entre outros), antes de os consumir (a refrigeração ou congelação dos alimentos não inativa o vírus Ébola);

- Evite o contato próximo com casos suspeitos ou confirmados de doentes com o vírus Ébola;

- Evite o contacto com cadáveres antes e durante cerimónias fúnebres;

- Não manipule sem proteção adequada qualquer material ou objetos utilizados no tratamento de doentes;

- Tenha em atenção que a doença se transmite através de relações sexuais. Essa transmissão pode ocorrer até 7 semanas depois da recuperação clínica.

Durante a estadia numa região afetada procure cuidados médicos se apresentar:

- Febre elevada de início súbito (superior a 38ºC);
- Mal-estar geral;
- Dores musculares;
- Dor de cabeça;
- Dor de garganta;
- Manchas na pele;
- Dor abdominal;
- Náuseas;
- Vómitos;
- Diarreia;
- Dores no peito;
- Hemorragias (não relacionadas com traumatismos).

Ao entrar/regressar a Portugal:

- Vigie o seu estado de saúde durante 21 dias. Se apresentar alguns dos sintomas anteriormente referidos ou tiver tido contacto direto, sem proteção adequada, com pessoa doente, contacte a Linha Saúde 24 (808 24 24 24), mencionando a viagem recente e relatando a sintomatologia.

- Caso os sintomas se desenvolvam ainda durante o voo de regresso, no avião, deverá informar a tripulação imediatamente. O mesmo procedimento se aplica em viagens marítimas.

Mais informação em:
Informação da Direção-Geral da Saúde

- Pacote informativo sobre doença por vírus Ébola onde estão disponíveis atualizações da informação referente ao surto, em www.dgs.pt



- Doença por vírus Ébola. Procedimentos de vigilância de viajantes durante um voo, antes do embarque ou após o desembarque (http://www.dgs.pt/directrizes-da-dgs/orientacoes-e-circulares-informativas/orientacao-n-0142014-de-11082014-pdf.aspx)

- Doença por Vírus Ébola - Procedimentos de vigilância de viajantes por via marítima (http://www.dgs.pt/directrizes-da-dgs/orientacoes-e-circulares-informativas/orientacao-n-0132014-de-11082014-pdf.aspx)

Informação internacional

- Declaração da OMS a 8 agosto sobre epidemia de Ébola como Public Health Emergency of International Concern

- Statement on travel and transport in relation to Ebola virus disease (EVD) outbreak

European Center for Disease Prevention and Control:

- Centers for Disease Control and Prevention, EUA (alertas para viajantes)


Atentamente,


Gonçalo Teles Gomes
Cônsul-Geral
Consulado-Geral de Portugal
Av. Mao Tse Tung n.º 519
Caixa Postal 4676
Maputo-Moçambique
Tel.: (+258) 21490150/1/5/7